Posts com Tag ‘Rodrigo Hilbert’

no-papo-descontraido-o-catarinense-falou-sobre-a-sua-receita-de-felicidade.jpg

Rodrigo Hilbert. Marido da Fernanda Lima. Famoso. Bonitão. Pai exemplar. Apresentador de TV. Cozinheiro de mão cheia. Ídolo de 11 entre 10 mulheres do país. Não faltam adjetivos para descrever o cara.

Como pessoa pública, seus passos são acompanhados diariamente por um mutirão de paparazzis e de pseudo-jornalistas órfãos do site EGO. Qualquer coisa que ele faça é divulgada nos portais da internet. Há um mutirão de comentaristas de Instagram prontos para analisar e (quase invariavelmente) elogiar tudo o que ele faz.

Mas Rodrigo Hilbert também virou um ícone do politicamente incorreto. Nem mesmo suas ações de bom moço são páreo para a horda dos SJW (Social Justice Warriors, ou guerreiros da justiça social). Se ele mata um animal em seu programa de TV para depois cozinhá-lo e preparar uma refeição suculenta, é porque ele não ama os animais (como se uma coisa tivesse que ter, necessariamente, relação com a outra). Se os homens comuns, anônimos, resolvem fazer piadas ironizando o quanto o cara é um verdadeiro ‘homão da porra’, é porque esses homens comuns são machistas e não querem se dar ao trabalho de cuidar dos seus filhos (seja construindo uma casa na árvore ou meditando com eles), preparar o jantar ou limpar a casa. Teve gente que chegou até a comentar que o Lázaro Ramos é bem melhor que ele, inclusive; só não tem o mesmo destaque pelo fato de ser negro (o fato de Lázaro ser um cara muito mais reservado, fugindo dos holofotes, parece nem ser muito importante para essa gente).


Nota básica do autor: homens comuns fazem piada muito mais pelo fato de Rodrigo Hilbert ser um galã do que propriamente pelas suas atitudes. Lázaro Ramos, convenhamos, de galã, não tem nada.


By the way, brincadeiras à parte e também desconsiderando todo esse mimimi dos SJWs, o fato é que Rodrigo não passa de um homem comum como outro qualquer. A diferença é que os holofotes mostram apenas o que é bacana. É pouco provável que ele poste em suas redes sociais fotos dando broncas nos filhos, ou dos filhos fazendo birra com ele, chorando pedindo um chocolate, ou de uma briga com sua esposa. É pouco provável também que paparazzis tirem fotos dele acordando com remela nos olhos, ou fazendo cocô de porta aberta, ou batendo uma punhetinha no banho (também conhecida vulgarmente por banheta).

Eu posso dizer por mim, e acredito que o leitor também possa: conheço um punhado de homens muito mais fodas que Rodrigo Hilbert. Eles não têm um programa de televisão e nem um fotógrafo registrando tudo o que fazem, muito menos publicam seus grandes feitos no Facebook ou em fotos photoshopadas no Instagram. No entanto, são (ou foram) tão bons ou melhores que ele em muita coisa.

Meu avô nunca teve internet. Também nunca teve nenhum paparazzi cobrindo as entregas de alimentos e produtos de limpeza para as comunidades carentes de Carapicuíba. Naquela época, também não havia Instagram para registrar todas fotos lindinhas dele paparicando os netos, tampouco foi notícia nos portais de internet quando ele buscava os netos na escola e os levava pra casa, ou quando ele saiu correndo para socorrer minha irmã que havia enfiado um brinquedo no nariz.

Não houve cobertura de imprensa quando meu pai, já perto dos 60 anos, formou-se na faculdade. Também não saiu no Facebook quando meu tio Eliseu ensinou a gente, ainda pequenininho, a fazer pipa, rabiola e cortante. Não vi também nenhuma notinha quando o Mathias lutou de todas as formas pela saúde da Isadorinha.

Então, eu sinceramente acho que a jogada de marketing pessoal do Rodrigo é excepcional! O cara está sempre em evidência, mesmo sendo um homem como vários outros (talvez apenas com um rostinho mais bonitinho e uma mulher bonita e famosa). No mais, fico mesmo com meus ídolos de carne e osso, anônimos e imperfeitos, mas também politicamente incorretos.

Anúncios