Arquivo por Autor

Sindicatos/Movimentos Sociais ou PCC?

Publicado: 27 de abril de 2017 por Mathias em Política, violência
Tags:, , ,
Boato de toque de recolher afeta 4 bairros de Santo André
Leia a transcrição deste áudio:
_ Pessoal, estão anunciando que vão liberar o UBER com desconto na cidade, é o seguinte, se tiver um UBER rodando a gente vai quebrar tudo hein irmão.
_ Avisa a galera ai porque se não parar o país sexta-feira nóis vai quebrar é tudo esses carros aí com celular no painel, é pra aderir a greve geral hein.
_ Não é pra levar um trabalhador… uma manicure, uma cabeleireira, não é pra levar ninguém ao trabalho, e todos os trabalhadores tem que ficar em casa tranquilo aí, que a mobilização é geral.
_ É o seguinte, vamo quebrar tudo, se tiver 1 uber rodando no Brasil nóis vai quebrar.
Áudio aqui:
Você sabe se isso é uma intimidação do PCC sobre a população ou de sindicalistas sobre trabalhadores?
O áudio circula em grupos de whatsapp de “motoristas de app” como Uber, devido a uma parceria dá prefeitura com a empresa, para garantir mobilidade urbana na cidade.
Escolas privadas estão com medo de funcionar amanhã com medo de represálias, sindicatos já compareceram nos locais para alertar.
Pequenos comércios locais já estão cogitando não abrirem devido aos inúmeros boatos.
A atuação dos sindicatos se assemelha ao terrorismo das organizações criminosas como PCC. Armado com pelegos que se sustentam pela suor dos trabalhadores, arrancando 1 dia de trabalho por ano de forma compulsória, os sindicatos e demais movimentos que existem em função da sua sanha por poder e dinheiro organizam para sexta-feira (28/04) uma greve geral.
As pautas são vagas e basicamente faz oposição as reformas estruturais da previdência e do trabalho, reformas essas que prejudicam justamente os próprios sindicatos, que roubam a autonomia do indivíduo.
Mas dessa vez, para garantir uma paralisação que não tem apoio popular as centrais sindicais estão usando do terror característico das utilizadas pelo crime organizado.
Tudo começa com um burburinho, o que antes se alastrava no boca a boca, na rádio-peão de intervalo do almoço hoje está a apenas 2 cliques, em poucas horas cria-se um factoide baseado em boatos e a merda já está feita. Daí para a histeria coletiva é um passo:
– Você recebe em todos os grupos um áudio alertando a não sair de casa que vão “tacar fogo” em quem estiver na rua.
– Você recebe aquela mensagem reciclada de que passaram de moto fazendo toque de recolher.
– Nos terminais o boato é que tudo vai parar.
– Nas ruas o olhar atento revela um terror cujo inimigo não tem rosto.
– Tem aquele famoso fulano irmão do sargento da rota que tem notícias quentes também, que fala da mobilização dos quartéis sobre o acontecido.
– E o clássico áudio com voz sinistra com 90% de gírias fazendo o mesmo alerta em tom ameaçador.
Essas ameaças são usadas pelo crime, que usa do terror quando querem demonstrar seu poder perante o poder público e a ordem social da cidade, normalmente quando sua estrutura criminosa sofre baixas ou perda financeira. Hoje vemos estas mesmas táticas de terrorismo sendo utilizada pelas centrais sindicais e por supostos movimentos sociais como MST, MTST, UNE ou qualquer outro grupo que diz representar parcelas da sociedade, mas não conseguem se manter financeiramente por seus associados e barganham recursos do estado, recurso que deveria ser devolvido a sociedade em forma de serviços essenciais como a proteção e a garantia da vida, liberdade e propriedade de todo pagador de impostos.
Essa greve visa defender a permanência das gordas verbas pagas obrigatoriamente por trabalhadores e pelo estado, articulada pelos tentáculos da extrema-esquerda totalitária que não conseguem aceitar a autonomia do indivíduo, tratando todos como imbecis incapazes de buscar seus próprios arranjos de trabalho, e nomeando de forma autoritária pessoas que agem em conluio com as figuras políticas já conhecidas por todos nós.
Fui!
Mathias

Partilho da mesma opinião do Zuza no texto anterior, que foi mais focado em comentar sobre, 1) a comparação grafite x pichação, 2) o ato ser ou não artístico e 3) a legitimação do ato.

Mas meu objetivo é apenas alimentar a treta sobre outro aspecto:

Toda essa pseudo-polêmica atual é puramente política ideológica!

 E respondendo ao título:

Porque falamos de pichação agora, e desde quando isso se tornou relevante?

Porque quem controla os meios de comunicação quer. Porque redações de jornais agem em conluio aos movimentos progressistas, pautando o que deve ser discutido na maior cidade do Brasil apenas porque precisam fazer oposição política ao prefeito que nem fechou um mês de mandato.

É fato, a mídia cria a notícia e define a opinião em nome de todos nós.

E vale lembrar que João Dória foi eleito de forma democrática, pela maioria esmagadora da população, mas os derrotados não aceitam o resultado das urnas! (Hahahahaha, adorei usar esse argumento!!!)

Por trás disso tudo existe uma militância que usa os pichadores como massa de manobra para fazer oposição politica ao atual prefeito de SP, o inimigo número 1 da extrema esquerda progressista brasileira.

Por que penso assim?

Em 2016 a prefeitura de SP sob o comando do petista Fernando Haddad, mesmo tentando agradar todos os movimento da sua agenda de extrema-esquerda, cobriu diversos espaços grafitados no Minhocão. Ele alegou que não estava “autorizado” e que não era um espaço apropriado… Não houve um pio!

Antes disso o ex-prefeito Gilberto Kassab, com a lei cidade limpa, apagou diversos grafites, do tipo cartão postal, no centro da cidade, inclusive algumas dos famosos artistas “os gêmeos”… nenhum pio!

Agora intelectuais, urbanistas da USP, fefeleches e opinadores de programas matinais, enxergam nas ações do programa “cidade linda” a oportunidade de se apropriarem dos pichadores, criaram um novo factóide e ganharam os holofotes na imprensa, que por sua vez é conivente, sem nunca tocar numa lata de spray, roubando assim o protagonismo de quem picha.

Desde então o que se lê e vê nos noticiários diários gira em torno da suposta “importância do picho para a cidade”.

No mundo mágico da UOL/FalhadeSP, GoebbelsNews e demais portais, Sampa se tornou uma cidade maravilhosa sem problemas sérios, cujo interesse da população é reconhecer os pichadores como cidadãos exemplares, merecedores de medalhas e aplausos. 

Querem tornar o picho uma manifestação social de “expressão dos excluídos”, através de uma narrativa de que este ato precisa ser entendido, compreendido, e qualquer política de combate é uma ação preconceituosa, repressora, excludente, que marginaliza o grupo, e os pichadores representam grande parte da sociedade.

Desde quando o pichador está afim de protestar? Desde quando pichador quer algum tipo de reconhecimento social?

Pura besteira, nada muda o fato de que pichação é degradação e feio!

A pichação é transgressora desde suas origens no movimento punk, é contracultura, e ser contra o sistema de estado faz parte do ato.

Transgredir é o objetivo da pichação e a transgressão é, por si, desrespeitar as normas, ultrapassar os limites, violação da lei!

Na boa, vocês acham que pichador quer, por exemplo, que um PM ou um cidadão o ajude a subir um muro, invadir um prédio e aplaudir seu ato de pichar?

Acha que pichador quer receber medalha em assembléias legislativas ou que o ato de pichar seja considerado algo correto, belo e moral?

Acha que pichador quer incentivo estatal, ou que tenham suas latas de spray subsidiadas? (É, esse eu acho que sim, :/)

É isso que estão querendo? 

Duvido, isso é coisa de carola, coxinha, coisa de crianças querendo atenção.

Não vejo pichadores assim, mas vejo esse desejo nos intelectuais burgueses que buscam o protagonismo desse grupo sem nunca sujar o dedo numa lata de spray, nem tiveram a cara pintada ao ser pego por um PM, nem sentiram a adrenalina em escalar prédios de fazer inveja a qualquer praticante de parkour.

Que nada… essa trupe se contenta em analisar sociologicamente o picho das suas sacadas gourmet revestida com uma textura cinza pastel, ou então tomando uma cerveja artesanal em um bar na Vila Madalena, cujo parede está coberta por adereços que embelezam o lugar é o torna aconchegante do inverno e descolado no verão.

Olha que bonito o filhinho playboy do embaixador transgredindo!

Pichador quer reconhecimento entre pichadores, querem desafiar as autoridades do estado, quer incomodar, querem adrenalina, quer ser xingado por aquele tiozinho que pinta a fachada da casa recém pichada, quer transgredir!

Criar uma suposta divisão social é o objetivo político da extrema esquerda progressista, mesmo que a unanimidade trata a pichação como um ato criminoso em SP e em qualquer outro estado brasileiro ou em qualquer outra cidade do mundo, um dano ao patrimônio público, um ato de vandalismo, que degrada a paisagem e gera prejuízo a terceiros. “Curtir” pichação nunca foi um sentimento compartilhado nem por 1% das pessoas, e nem mesmo é compartilhado por pichadores!

Não caia nessa galera, não sejam manipulados! Pensem!

A patota militante usa da velha estratégia de tentar mudar o sentido das coisas apenas criando rótulos e mudando o nome do que quer subverter.

Não adianta chamar um garfo de colher para que ela se torne uma colher, continua sendo um garfo, continua péssima ferramenta para degustar uma deliciosa sopa!

Portanto camarada… Pichação é pichação! Um dano a propriedade pública ou privada.

Dizer que é “manifestação” não muda nada. Dizer que é “cultural” não muda nada. Dizer que é “uma forma de expressão” não muda nada.

Acho hilário quem tenta mudar o sentido das coisas por birra ideológica, por puro embate político…

Baloeiros, fica dica… Busquem pelos mestres das massas políticas, quem sabe a mídia e esses movimentos não consigam elege-los como os novo baluartes da aviação!!

Amigão pichador, quer pichar? Picha!

Mas aceite as consequências!

O pichador que não gosta de pichar a própria casa, Mito! https://www.youtube.com/shared?ci=e3S8RBtizPc

Fui!

Mathias.

Original do blog http://carmenmigueles.blogspot.com.br/

Eu fui convidada para falar para um grupo de jovens e crianças na Igreja da Ressureição, em Copacabana. A maioria delas da comunidade do Pavão Pavãozinho.  Perguntei: vocês são livres? Todos concordaram que não. A razão pela qual acreditavam não ser livres era porque não podiam ter e fazer tudo o que queriam. Não era esse o entendimento de liberdade que me interessava. Porque não é possível para o ser humano esse tipo de liberdade. Eu gostaria de voar. Sonho antigo da humanidade. Mas não posso. Isso não reduz a minha liberdade.

Mudei a estratégia. Falei sobre vários líderes empresariais brasileiros que quando começaram a sua história eram tão pobres quanto eles. Não é difícil achar. Esses são muitos em um país de imigração e industrialização recentes. Perguntei: o que vocês acham que eles fizeram para conseguir tanto sucesso? Eles responderam: deram sorte, roubaram ou enganaram alguém ou alguém ajudou; Eu estava tentando demonstrar que é possível mudar a própria vida se a pessoa se organiza para isso e persevera nas suas intenções…. Estava difícil.

Tive uma ideia: recorri à antiga metáfora do anjinho falando em um ouvido e o diabinho falando no outro. Perguntei: o que o anjinho fala em uma orelha? Um menininho de uns 9 anos disse: ele diz para eu tomar banho.

– Você toma?

– Não….

– O que o diabinho diz?

– Ninguém vai me cheirar mesmo….

– Mas quem quer seu bem?

– O anjinho…. Se eu não tomo banho fico cheio de pereba….. Mas eu não gosto muito de banho……

Quem mais quer contar uma história? Outro menino, agora com uns 14 anos, começa:

– O anjinho diz para eu ler e estudar.

– Você lê e estuda?

– Não.

– Mas porquê? O que o diabinho diz?

– Não é diabinho não…. é um diabão desse tamanhão…. É meu game…. vou estudar ele diz: você está quase passando da fase….. Meu pai grita: menino, desliga esse negócio e vai estudar….. o diabão diz: nem liga…. daqui a pouco ele tá babando no sofá…..

Falamos sobre a liberdade como a capacidade humana de escolher entre coisas melhores e piores…. Eles acharam esse exercício muito difícil. Não estão sozinhos. O peso da liberdade é mesmo difícil de carregar…. Ser livre é ser dono das próprias escolhas e responsável pelas consequências…daí a sua importância. Essa era a razão pela qual estávamos ali. Em um grupo chamado, não sem razão, grupo da Perseverança. O objetivo é apoiar-nos uns aos outros nessa difícil tarefa. Pois embora difícil, tentar escapar dela é sempre pior….

Mudamos o exercício. Propus um teatro. Contei essa estória:

–  Eu sou um trabalhador ali da comunidade. Trabalhei minha vida toda e agora perdi o emprego. Recebi meu fundo de garantia e tinha algum dinheiro na poupança. Pensei: o que posso fazer? Pensei nas crianças da comunidade, em como era difícil descer para tudo, até para comprar um lápis. Decidi abrir uma pequena papelaria na varanda da minha casa. Trabalhei duro. Com o dinheiro que ganhava sustentava minha família. Aos poucos minha papelaria ficava conhecida e eu vendia mais. Procurava ter o melhor preço possível. As crianças não tinham muito. Ganhava meu dinheirinho, mas era sempre pouco e apertado. Mas como eu sabia o que elas precisavam e tinha um preço bom, comecei a prosperar. Nessa hora decidi colocar uma placa na porta: “Precisa-se de ajudante”. Disse para eles:

– Vocês precisam vir para a entrevista de emprego e me convencer a contrata-los.

O primeiro disse:

– Moço, sei que o senhor está procurando ajudante…. Que preciso de emprego. Minha mãe está doente, os remédios são caros… eu disse não.

O segundo disse:

– Eu tenho cinco filhos… minha mulher está gravida do sexto…. Não tenho como comprar comida. O senhor me dá esse emprego?

Eu disse não, infelizmente eu não poderia dar o emprego para ele.

O terceiro contou uma história pior, de doença e fome….

Eu disse não.

Então o menino disse: mas a senhora é ruim que é o cão, hein? O que eu preciso dizer para a senhora me dar o emprego?

– Que você é muito bom de matemática, pode me ajudar muito a melhorar o meu negócio. Seria melhor se você disse: – gostaria muito de trabalhar aqui. Sou muito bom de vendas. Tenho uma serie de ideias de como podemos crescer. Se eu conseguir fazer o seu negócio crescer, digamos, 50%, o senhor me dá uma sociedade?

Os meninos disseram: – Não, isso não pode dizer! O dono vai achar que você quer tirar vantagem dele!!!!

De onde veio essa crença? De que ser necessitado, dependente e sem ambições seria melhor do que ser capaz, altivo e propositivo? O que essa crença tem a ver com a falta de valor que o jovem dá para escola?

Ela vem de uma profunda visão de desigualdade e de que o interesse do pequeno empresário é diferente e oposto ao do seu funcionário. Essa crença está por trás da ideia de que trabalhar para ajudar o patrão a prosperar é uma forma de aceitar a própria exploração. É a visão de que numa sociedade de desiguais, em que para um ganhar outro tem que perder.

O pequeno empresário, se tivesse gasto seu dinheiro ao invés de investir, por medo do risco de fazê-lo, seria um igual. A coragem de correr riscos, trabalhar duro e tentar vencer parece colocá-lo em um outro lugar: no lugar dos fortes e poderosos que, por falta de escrúpulos, emprega alguém para enriquecer às suas custas. Ao não se ver como igual, o jovem não vê valor em unir forças e aproveitar que o outro acumulou algum dinheiro para partir de uma posição de maior vantagem em seu próprio esforço por empreender para construir algo melhor.

A visão de igualdade o ajudaria a perceber que se o outro está buscando ajuda é porque há mais trabalho do que ele consegue fazer sozinho. De que para um pequeno empresário como esse em uma comunidade, não deve ser fácil sustentar a família e pagar as contas. E que mérito está em ajudar o outro a ganhar ajudando-o a gerar mais valor para as pessoas que são clientes do seu negócio, nesse caso as crianças da comunidade. E que o estudo ajuda nesse esforço de prosperidade. Que liberdade, nesse caso, é a capacidade de enxergar alternativas e fazer as melhores escolhas para si mesmo, pois a soma das melhores escolhas individuais produz resultados melhores para todos, colabora para que juntos todos se beneficiem do esforço de cada um.

A visão de desigualdade faz com que o jovem ache que emprego é caridade. Que o empregador, já sobrecarregado com a tarefa de cuidar da própria família e do próprio negócio deveria dar emprego para alguém que colocaria mais peso sobre os seus ombros. Nesse contexto ele não consegue enxergar o valor da sua contribuição. E não consegue fazer as melhores escolhas. Ele não entende o que queremos dizer quando afirmamos que o indivíduo é o único gerador de riquezas. Que o livre mercado é a maneira mais fácil de fazê-lo prosperar. E de que todos se beneficiam quando ele usa o máximo das suas competências. Temos muito trabalho a fazer. Precisamos da sua inteligência e da sua vontade para estarmos melhor no futuro. E ele não sabe do valor que tem.

Igualdade, liberdade e meritocracia pressupõe o esforço da subsidiariedade. Dessa capacidade de ajudar o outro a desvelar todo o seu potencial. Essa é a solidariedade que nos fará melhores. Se todos tentarem, será muito mais fácil cuidar de quem precisa. Eles serão em muito menor número e o conjunto dos cidadãos será muito mais prospero.

hidra

Hidra de Lerna

Se tem alguém que entende de multas de trânsito, tirando a máfia dos despachantes que agem como intermediários/facilitadores dos corruptos do setor, esse alguém sou EU!

Em 2015 eu praticamente gastei o valor do seguro do meu carro (que não fiz) + o valor da minha “jabiraca” (moto) com pagamentos de multas e atravessadores resolvendo problemas criados pelo próprio DETRAN-SP.

A burocratização, a corrupção e a celeuma desta Hidra cria um rio cheio de presas fáceis diariamente na Av. do Estado, n° 900, pessoas perdendo tempo produtivo para:

a) indicar condutores das multas recebidas,
b) emitir/renovar CNH,
c) recuperar veículos apreendidos,
d) resolver problemas de taxas/tributos antigos.

E acredite, obter informações que muitas vezes são incompletas, mais dúzias de outros procedimentos para resolver problemas criado pelo próprio departamento estatal.

Atenção! Se você pretende ir a algum departamento público vá preparado com no mínimo 2 cópias de seus documentos, boletos bancários, carteirinhas, certidões e comprovantes… alguns autenticados!!

Hoje, além de caro, é demorado resolver qualquer problema relacionado a veículos/trânsito em SP. Todo jovem – principalmente o mais pobre – que sonha em comprar uma moto ou um carro para ganhar horas preciosas do seu dia, ou ganhar um dinheiro como motorista/motoboy não consegue faze-lo sem perder muito tempo e dinheiro.

Uma CNH não sai por menos do que R$ 1800,00 e despende praticamente 3 meses (otimista) de tempo!

R$1800,00 motherfuck mangos… Porra! Minha “jabiraca” vale isso!!!

Quem tem grana paga um despachante, quem não tem vira escravo do transporte público, além de ficar fora de algumas opções do mercado de trabalho, e se perpetua nos tentáculos de programas sociais do estado.

Transitar em SP é uma tarefa quase criminosa. A cada 100 metros o olho vai instintivamente ao velocímetro, pois as velocidades permitidas não são mais compatíveis com a capacidade das vias. A cotidiana sensação de insegurança ao dirigir nas vias da cidade colide com a necessidade de obedecer regras que potencializam essa sensação.

Vivemos no dilema entre manter-se vivo e com a nossa propriedade… ou SER ROUBADO PELO ESTADO.

O que mais me espanta é a incapacidade das autoridades do estado – e da grande maioria da população brasileira – de perceber que quanto mais regras e leis moralmente questionáveis, mais se burla estas leis!

Quando as únicas leis são aquelas que todos consideram como corretas e válidas, elas tem uma grande força moral, quando se tem leis que as pessoas separadamente não consideram como corretas e válidas, elas perdem sua força moral.

Por exemplo:

Qual a objeção moral ao excesso de velocidade? Não estou dizendo que se possa ter uma objeção “prudencial” ao excesso de velocidade, você pode ter medo de ser pego. Mas parece ser imoral o ato de acelerar? Se for, é uma pequena minoria!

Qual a objeção moral ao transitar sem uso do cinto de segurança?

Perceba que da noite para o dia, aqui em São Paulo, milhares de motoristas tornaram-se foras-da-lei por transitar nas vias das marginais em velocidade superior a estabelecida, permitidas até então.

Hoje (04/2016) está aprovada uma nova regra de trânsito obrigando que se trafegue sempre com os faróis do veiculo acesos em rodovias. Será mais alguns milhares de contribuintes punidos por não cumprir tal regra.

Outro exemplo?

a) Um motociclista é penalizado com multa por pilotar com a viseira aberta, não importa se está calor e ele fica sufocado, não importa se está chovendo e a viseira embaça, não importa se ele está com mal-estar e precisa de ar no rosto. Não importa, a regra é clara, será penalizado conforme Resolução 453/13 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), em seu artigo 3º, inclusive com suspensão da sua habilitação.

b) Se a lâmpada do seu farol queimou, não importa se aconteceu a um minuto, uma hora ou um dia, será penalizado com multa e suspensão do direito de dirigir por um determinado período, conforme artigo 244, IV CTB).

c) Se o seu capacete não tem um selinho específico (INMETRO) será penalizado com multa, suspensão e recolhimento da sua habilitação (conforme artigo 244, I CTB).

d)Todos nós, motoristas, somos obrigados a andar com um pedaço de papel como garantia de que os tributos/taxas foram recolhidos, mesmo que as diligências tenha ferramentas para consultar estes dados, nessa questão a prova de inocência é do acusado, uma inversão de justiça, que diz claramente que a prova de culpa é de quem acusa.

?? Quem são as vítimas desses crimes ??

São essas mesmas pessoas que nunca pensaram nem por um segundo em roubar um centavo de seu vizinho, mas não hesitam em passar no sinal vermelho na madrugada de Sampa.

Por quê? Porque enquanto um conjunto de leis tem um valor moral que as pessoas reconhecem, independente do governo ter aprovado essas leis, o outro conjunto de leis não apela ao instinto moral das pessoas.

Penso que seja importante que isso fique claro nas nossas mentes, para não cairmos na narrativa desonesta de que qualquer ato imoral tem o mesmo “valor”, a mesma “força”, pois tal retórica é usada para que criminosos do mais alto grau de periculosidade, e principalmente os mais sujos corruptos do governo, nos culpe pelos delitos cometidos por eles, comparando nossas condutas menores, essas que não tem apelo instintivo de moralidade, com seus próprios atos criminosos.

Por essa razão vemos ministros do Brasil justificando atos de corrupção em seu governo sob alegação “cultural” (Urgh!), comparando o comportamento do cidadão mal-educado que joga papel no chão, ou de um cidadão que para livrar-se de um policial rodoviário corrupto (pois tem poder para corromper) aceita se corromper pois esqueceu aquele papelzinho em casa e está a 500 Km de distância, e essa penalização lhe custará muito mais tempo e dinheiro.

Estamos vivendo em um tempo que para se fazer qualquer coisa deve-se ter permissão do estado, quando o certo seria o inverso

Deveríamos ter um estado que nos garantisse fazer o que quiséssemos, desde que se respeite direitos fundamentais de terceiros, como a VIDA, a LIBERDADE e a PROPRIEDADE!

A constituição deve representar não uma concessão de poder dos governantes aos governados mas uma delegação de poder feita pelo povo ao governo que criou!

 

Este vídeo é exemplar, veja: O que torna um país corrupto? (Milton Friedman)

Fui!

Mathias.

O Golpe dos anti-golpes.

Publicado: 29 de março de 2016 por Mathias em Sem categoria

Entenda de uma vez por todas como funciona a cabeça da esquerda-lulopetista!

Afinal, é ou não é um golpe?

com-o-rosto-desfigurado-o-boxeador-russo-denis-lebedev-esq-recebe-golpe-do-panamenho-guillermo-jones-durante-disputa-do-cinturao-dos-pesos-cruzadores-1368903717131_956x500

Não é golpe!

Eles participam das manifestações pró, mas se dizem contra.

Eles justificam tudo que há de ruim no governo petista dizendo que a oposição também é ruim.

Eles desqualificam a PF e a operação lava-jato usando falácias.

Eles se dizem a favor da democracia, mas não aceitam processos democráticos.

Quem são, como vivem, o que pensam…


 

Sem título1


Vc é contra o governo, a favor da democracia e se diz contra o golpe?
… MAS não aceita o impeachment, um processo político e democrático, assegurado pela constituição, que está de acordo com todas as regras e está seguindo todos os ritos de forma legal.

Vc questiona as intenções do juiz Sérgio Moro e da operação lava-jato?
… MAS ignora o conteúdo, se esgueira sobre as dezenas de prisões, o resgate de alguns bilhões, desdenha por completo os méritos de todo o processo de investigação, ignora listas, áudios, delações. Prefere desqualificar pessoas, argumentum ad hominem primário.

Vc acusa a operação de “politizar” o judiciário?
… MAS silencia sobre advogados e acadêmicos petistas no STF e na AGU, não comenta sobre Lula cobrar gratidão pela nomeação do procurador-geral Rodrigo Janot, e ignora a nomeação de Lula como ministro, afim de obter foro privilegiado.
Ignora que o governo use como “ferramenta político” sindicatos, em detrimento dos interesses da classe trabalhadora que deveria representar.

Vc acusa a operação de “fins partidários”?
… MAS esconde os partidos por trás de todos sindicatos, organizações e movimentos sociais financiados para defender um governo corrupto que os financia.

Repudia que “os fins justificam os meios”?
… MAS, cala sobre o baixo calão, o machismo, o autoritarismo, o totalitarismo e a tentativa explícita de interferência nas instâncias independentes dos três poderes por Lula e demais envolvidos, tudo provado, gravado dentro da lei, vc participa de uma manifestação para ouvir e aplaudir Lula em palanque, tudo isso pra que? Para não negar a ideologia que acredita.
Não opina, não mostra indignação, não acha estranho, não se permite nem mesmo questionar fatos concretos de ocultação de patrimônio e de tudo mais que foi revelado aos quatro cantos.

Exalta os números, a grandeza da manifestação que participou, uma manifestação partidária com discurso de ódio, enquanto acusa a todos de golpistas, fascistas e tantos outros “istas” ao seu bel prazer.

Menospreza todos que pedem impeachment, que vaiam políticos da oposição, na maior de que todas as manifestações do Brasil, uma demonstração de que não tem CORRUPTOS DE ESTIMAÇÃO. (Collor, Maluf, Renan Calheiros, Jader Barbalho e alguns condenados… ovacionados como heróis)

USA RÓTULOS!

ELITE, gente ignorante, gente alienada, o anti-povo.

Não você… Você está do lado do povo, os 6 milhões, ou 5, ou 4 milhões que saíram no dia 13 são o anti-povo.
Você sim, pensa no bem da nação, enquanto os que batem panela só querem manter o status quo, são reaças-conservadores-preconceituosos-fascistas.

Não defende o governo… mas apóia manifestação pró.
Não defende o governo… mas todos os atores que apoiam o governo participam da mesma manifestação.
Não defende o governo… apenas se manifesta “em favor da democracia”.

Acusa tudo de fascista, mas pede estado em tudo.

TODOS SÃO GOLPISTAS!

As revistas são golpistas (menos CartaCapital, Caros amigos, Brasileiros)

Os blogs são golpistas (menos DCM, brasil247, Conversa fiada, o cafezinho, viomundo, revista fórum…)

As emissoras de TV são golpistas (menos a TV Brasil)

A Globo é golpista (menos o Zé de Abreu, Jô, Paulo Betti, Cristiana Lobo, Burnier, Arthur Xexeu, Mário Sérgio Conti, Pontual, Barbara Gancia, …)

A mídia em geral é golpista (menos aqueles que defendem o governo).

Humoristas são golpistas (menos Adnet, CQC, Greg Duvivier)

Jornalistas são golpistas (menos Safatle, Mino Carta, PHA, Luís Fernando Veríssimo, Mônica Bergamo, Nassif, Miguel do Rosário, Leonardo Attuch, Renato Rovai, Leonardo Sakamoto, Laura capiglione, Anselmo Góes, … )

Acadêmicos são golpistas (menos Cortella, Renato Janine, Marilena Chauí…)

O judiciário é golpista (menos aqueles que julgam em favor dos interesses do governo).

A oposição é golpista (menos o PSOL, PCdoB, PSTU e PMDB “por enquanto”).

O povo é golpista (Menos “eu”… e meus companheiros, nós defendemos o governo, mas falamos que defendemos a democracia). Quem bate panela e quem vai as ruas contra o governo é golpista, não é povo é o “ANTI-POVO”.

Economistas são golpistas (menos os desenvolvimentistas e keynesianos da Unicamp)

Delcídio é golpista (hoje, antes era o líder do governo).

Renan Calheiros é golpista (após 28/03, antes era aliado).

OAB é golpista (após 26/03, antes era aliada).

Empresários são golpistas (menos aqueles que se beneficiam dos subsídios do governo e contribuem legalmente com nossas campanhas com os excedente de contratos superfaturados).

Jovens estudantes são golpistas (menos os da UNE e UJS).

O Fernando Holiday é golpista (menos os demais negros dos movimentos negros que apoiam e buscam privilégios do governo).

As mulheres são golpistas (menos aquelas ‘grelo duro’, que aceitam nos servir para destruir reputações e criar fanfics). Já quem nos trai, como Marta Suplicy, deve ser xingada pra “aprender o que é bom”.

Os pobres são golpistas (menos os que aceitam participar das nossas manifestações por R$30,00). O resto não sabe que é explorado.

O impeachment é golpista (menos o do Collor e do FHC)

A direita é golpista (menos o Maluf, Collor, Sarney, Renan Calheiros, Jader Barbalho e os demais que estão do meu lado).

Todos são golpistas!

Menos aqueles que me servem para continuar no poder e implementar experiências sociais totalitárias através das regras democráticas, não me importo que essas experiências causaram milhões de mortes pelo mundo, pois eu acredito que dará certo agora.
Não me importo com o passado, apenas me importo com o futuro, por isso mesmo não tenho compromisso com nada nem com ninguém, nem mesmo com a minha consciência. Posso vender sonhos cheios de boas intenções e a humanidade futura que sofra com meus devaneios.
Sou um revolucionário!

SE TUDO É GOLPE, ENTÃO…

Não é golpe… Nomear para o ministério da justiça pessoas com o intuito de travar operações da PF.

Não é golpe… Incitar no palanque o confronto aberto entre as pessoas composição política contrária.

Não é golpe… Cobrar postura conivente de procuradores nomeados no seu governo.

Não é golpe… Dizer que ministros do supremo são frouxos.

Não é golpe… Chantagear familiares de senadores presos para que o mesmo recue nas delações.

Não é golpe… Articular a pauta jornalistica com redatores de revistas pagas por publicidade do governo.

Não é golpe… Dizer que afastará toda equipe policial se houver cheiro de “vazamento” mesmo sem provas

Não é golpe… Emitir um documento assinado para servir de arma contra prisão.

Não é golpe… Usar o espaço público do planalto para reuniões com pessoas que tem viés ideológico totalmente parcial, cujo objetivo é somente manipular a opinião pública.

Não é golpe… Financiar artistas em troca de apoio político.

Não é golpe… Incitar mulheres a combater opositores pelo simples fato de ser oposição.

Não é golpe… Criar neologismo para termos chulos e machistas, manipulando a língua e enganando incautos.

Não é golpe… Usar sindicatos como instrumento político, em detrimento aos interesses da classe que deveria representar.

NADA É GOLPE!

FUI!

Mathias.

mundo-perfeito

Mundo perfeito?

Guardo um texto inacabado na minha pasta de rascunhos há mais de 3 anos, que se tornou um emaranhado de argumentos inconsistentes devido as minhas próprias incertezas e contradições.

O texto era sobre o ABORTO, e eu defendia o ato como um direito, basicamente por dois aspectos:

1 – a liberdade individual da mulher por ser proprietária do seu corpo e portanto ter o poder de decidir sobre ele;

2 – sobre a questão de reconhecer um embrião como pessoa, e este, por fim, dotado de direitos.

Sim, argumentava em favor da “legalização” do aborto em situações mais “flexíveis”, julgando a moralidade desde ato basicamente sobre os aspectos 1 e 2.

Mas a cada linha, a cada nova ideia e pensamento reflexivo eu me questionava sobre a falta de um ator… algo estava sendo esquecido, percebi que ignorava totalmente a POTÊNCIA DA VIDA HUMANA futura, que tem/terá o DIREITO NATURAL DE VIVER (Direito esse que invalida os 2 aspectos). Por ignorância, convenções e preconceitos, ou por pura distorção sobre o que é a LIBERDADE tratava esta potência apenas como um PUNHADO DE CÉLULAS, um PARASITA, um OVO… e não como um humano!

E foi refletindo sobre a vida humana em formação que mudei de ideia e revi minhas próprias convicções. Fiz sem o fanatismo dos “progressistas tolerantes” que não toleram o feto, nem o “fanatismo religioso” que se apega apenas no dogma da própria crença.

 


Retomo agora minha “escalada crítica” sobre o aborto pois o momento é oportuno.

Novamente se discute usar o aborto como política de saúde pública para o combate de uma condição neurológica de microcefalia em bebês, que supostamente é causado pelo vírus Zika transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e se alastra por toda a parte.

Essa epidemia alimenta ainda mais a narrativa ABORTISTA – eufemismo para uma política de saúde EUGENISTA – e já domina o debate sem espaço para o contraditório. Mesmo havendo dúvidas médicas e científicas da relação entre o vírus zika e microcefalia, mal se sabe sobre as reais causas do surto, mas a principal recomendação de “especialistas”, “institutos”, “organizações” e qualquer outro formador de opinião é:

…ABORTO É UM DIREITO E DEVE SER LEGALIZADO!

Em outras palavras: Vamos matar seres humanos em formação para evitar que eles nasçam doentes!

A mídia e nas redes sociais a narrativa já está direcionada, sem debate nem imparcialidade. Ouço apenas uma voz, o vento que sopra em uma única direção e apenas uma opinião se torna verdade:

A saúde pública deve garantir o acesso ao aborto, o aborto deve ser legalizado e os países devem rever suas leis!

1) Nesta semana (01/02/2016) o programa RODAVIVA se dedicou a discutir o assunto da epidemia.

Veja: Roda Viva | combate ao Aedes Aegypti – 01/02/2016

O convidado José Guedes (prof. de Medicina da Santa Casa) levantou o assunto, em meio as incertezas ele estava convicto: “O ABORTO COMO ALTERNATIVA DE EVITAR O SOFRIMENTO DA FAMÍLIA E DAS MÃES”.

Ou seja, prevalece a vontade da mãe, e para evitar seu próprio sofrimento interrompe-se a gestação.

2) No canal GLOBONEWS, o programa com ALEXANDRE GARCIA (03/02/2016) levou o professor e pediatra infectologista da UFRJ Edimilson Migowski para debater o assunto. Edimilson Migowski participa de vários programas na Rede Globo, BandNews, SBT entre outras, e sua narrativa segue como verdade.

Veja no vídeo aos 2:50 minutos: GloboNews com Alexandre Garcia

Para o professor o aborto deve ser encarado pelo “contexto social” e é a melhor opção de manter uma família estruturada, pois nesses casos de FILHOS IMPERFEITOS muitos pais abandonam a família e também acontece uma maior demanda de atenção da mãe para este filho imperfeito, com isso os demais filhos tem seu desenvolvimento “ALIJADOS”.

Ou seja: vamos usar o aborto (Vamos assassinar um futuro indivíduo imperfeito) para evitar o sofrimento familiar, evitar que pais canalhas abandonem suas casas, e evitar que filhos não tenham plena atenção da sua mãe.

Mas ele enfatiza que não é favorável ao aborto, ele só é favorável que a mãe tenha a opção de abortar. COVARDE!

Sem título

Não sou a favor, mas…

3) No mesmo canal o programa DIÁLOGOS entrevistou Dráuzio Varella, um defensor do aborto, mas ele foi até razoável e não comentou explicitamente sobre o aborto.

4) E por fim, a ONU orienta que os países revisem suas leis e garantam acesso a saúde pública.

Em outras palavras: a ONU orienta que países mudem suas leis para permitir o aborto nos casos de contaminação pelo vírus Zika, veja aqui.

Nesses 4 exemplos fica claro que não há espaço para quem não admite o aborto como primeira opção de saúde pública, e buscar alternativas não entrou na pauta.


Toda essa narrativa torna o debate uma grande mentira e hoje eu NÃO defendo mais de que o ABORTO deve ser legalizado, e principalmente o aborto não deve ser tratado como opção de SAÚDE PÚBLICA!


Ok, e por quê? E nos casos contemplados que temos hoje? (Anencéfalo, risco de vida da mãe e estupro)

Acredito ser da natureza humana evitar o sofrimento e penso que permitir o aborto vai torná-lo uma opção fácil de evitar qualquer anormalidade na gestação, o aborto será uma porta para a idealização da busca pelo filho perfeito.

Pense… quantas pessoas vão arriscar a ter um filho imperfeito?


“Nem todo sofrimento pode e deve ser evitado, assim como nem todo prazer deve ser desejado!”

Essa frase pode ser remetida a Epicuro ou aos escritos bíblicos de Jô 16.33, o que agrada tanto a religiosos quanto ateus!


E estamos falando de casos de problemas de saúde, mas por que não seria para qualquer outra justificativa conveniente para a gestante?

Uma viagem? Uma dieta? Uma briga de casal? Uma frustração amorosa? Uma imposição do parceiro, ou dos avós? Um planejamento profissional? Sexo do feto? Uma polidactilia? Uma deficiência auditiva/visual…? 

… Uma consciência mais frouxa?

Qual o limite para permitir o aborto como OPÇÃO da mãe?

Síndromes, doenças, disfunções, anomalias, deformações ortopédicas, deficiências neurológicas…

São infinitas as possíveis deficiências e imperfeições que a vida nos reserva, e por mais humanos que sejamos seria uma hipocrisia — e uma canalhice — acreditar que vamos aceitar e desejar para nossos filhos condições que não desejamos para nós mesmos!

Minhas próprias experiências de vida me fazem pensar que devemos aceitar as incertezas que a vida nos impõe, e é a resiliência que nos faz viver sem o tormento de achar culpados para problemas que não tem explicação.

Algumas coisas na vida são como são… simplesmente porque a vida é assim!

É na batalha que se reconhece os COVARDES, e no sofrimento e dor que se identifica os FRACOS!

Os argumentos usados pelos defensores ao aborto apenas jogam a sujeira para debaixo do tapete, além de abrir precedentes eugenistas que fariam Bernard Shaw e Margaret Sanger pularem de alegria dos seus túmulos!

Pais e mães (Sim, mães também!) que abandonam seus filhos e suas famílias o fazem por que são CANALHAS incapazes de aceitar os desafios da vida! Seja por problemas de saúde, por problemas financeiros, por frustrações amorosas, ou por puro egoísmo individual de querer “VIVER EM PLENA LIBERDADE” sem ter o fardo das responsabilidades!

Os avanços médicos, científicos e as pesquisas genéticas antecipam e reparam possíveis problemas genéticos, temos o aconselhamento genético, além de uma rede de solidariedade que apoia famílias que sofrem com esses problemas, é isso que deve ser debatido!

Penso numa sociedade que prioriza e respeita a vida humana na sua menor minoria, o INDIVÍDUO!

E é para resolver esses conflitos e garantir direitos naturais que o estado deve existir.

Por tanto priorizo a potência da vida que, pelo caminho natural, será um ser humano completo, detentor de direitos inalienáveis e inquestionáveis de VIDA (nascer e libertar-se da sua hospedeira), PROPRIEDADE (seu próprio corpo) e LIBERDADE (desenvolver-se conforme suas potencialidades)!

Acredito que todos temos direitos a vida, mesmo que esta vida seja imperfeita!

Afinal, o que é perfeito?

FUI!
Mathias

Adendo 1:

5) No programa SaiaJusta da GNT, o tema também foi sobre o aborto. Adivinhem qual era a opinião das 4 participantes?

Como sempre o prefeito de SP pensando nos mais pobres.

Publicado: 8 de outubro de 2015 por Mathias em Política, Trabalho
Tags:, ,

 

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/10/1691622-licenca-para-motorista-do-uber-pode-chegar-a-r-60-mil-em-sp.shtml

uberaHR0cDovL3d3dy5jbGlja2dyYXRpcy5jb20uYnIvZm90b3MtaW1hZ2Vucy92ZXJzdXMvYUhSMGNEb3ZMMk5oY25SbFlteGhibU5vWldodlltSnBaWE11Wm1sc1pYTXVkMjl5WkhCeVpYTnpMbU52YlM4eU1ERXpMekEyTDNabGNuTjFjeTV3Ym1jJ

sp

 

 

 

 

 

JENIAL!!

Bastava um Smarthphone, uma CNH com EAR e um automóvel de 40, 50, 60 mil com seguro, que qualquer indivíduo poderia ter a iniciativa de buscar seu próprio sustento transportando quem queira ser transportado.

Mas parece que o prefeitoRegulando Malddad” e a prefeitura de SP, a extrema esquerda PTista institucionalizadora do roubo legalizado via coerção, decidiu dificultar e criar algumas regras/normas do que estava funcionando bem até agora.

O que era sinônimo de liberdade e iniciativa, agora terá “regras” e será “regulado”, tudo em nome do bem coletivo e claro, pensando nos mais pobres!

A idéia é:

Cobrar R$60.000,00, Limitar em apenas 5000 autorizações e fazer mais algumas exigências estúpidas, como obrigar algum equipamento que mostre um mapa (sic).

Brilhante!!!

Os mais pobres agradecem, agora quem estava pensando em trocar de carro e se enquadrar nas poucas exigências do UBER pode esquecer… o custo dobrou! Como um passe de mágica!!

Como toda intervenção estatal fode com os mais pobres. Mas logo vem alguma justificativa dizendo que esta “arrecadação” (ROUBO) servirá para algum programa social para cuidar das pessoas desempregadas que, um dia, tentam sair da dependência estatal, algumas delas, talvez, até cogitaram trabalhar no UBER.

Enquanto isso as cooperativas (Máfia e Monopólio) continuam estorquindo motoristas sonhadores em busca do seu próprio alvará.