Incentivo ao crime. ou: Regras de hidra.

Publicado: 4 de maio de 2016 por Mathias em Política
Tags:, , ,
hidra

Hidra de Lerna

Se tem alguém que entende de multas de trânsito, tirando a máfia dos despachantes que agem como intermediários/facilitadores dos corruptos do setor, esse alguém sou EU!

Em 2015 eu praticamente gastei o valor do seguro do meu carro (que não fiz) + o valor da minha “jabiraca” (moto) com pagamentos de multas e atravessadores resolvendo problemas criados pelo próprio DETRAN-SP.

A burocratização, a corrupção e a celeuma desta Hidra cria um rio cheio de presas fáceis diariamente na Av. do Estado, n° 900, pessoas perdendo tempo produtivo para:

a) indicar condutores das multas recebidas,
b) emitir/renovar CNH,
c) recuperar veículos apreendidos,
d) resolver problemas de taxas/tributos antigos.

E acredite, obter informações que muitas vezes são incompletas, mais dúzias de outros procedimentos para resolver problemas criado pelo próprio departamento estatal.

Atenção! Se você pretende ir a algum departamento público vá preparado com no mínimo 2 cópias de seus documentos, boletos bancários, carteirinhas, certidões e comprovantes… alguns autenticados!!

Hoje, além de caro, é demorado resolver qualquer problema relacionado a veículos/trânsito em SP. Todo jovem – principalmente o mais pobre – que sonha em comprar uma moto ou um carro para ganhar horas preciosas do seu dia, ou ganhar um dinheiro como motorista/motoboy não consegue faze-lo sem perder muito tempo e dinheiro.

Uma CNH não sai por menos do que R$ 1800,00 e despende praticamente 3 meses (otimista) de tempo!

R$1800,00 motherfuck mangos… Porra! Minha “jabiraca” vale isso!!!

Quem tem grana paga um despachante, quem não tem vira escravo do transporte público, além de ficar fora de algumas opções do mercado de trabalho, e se perpetua nos tentáculos de programas sociais do estado.

Transitar em SP é uma tarefa quase criminosa. A cada 100 metros o olho vai instintivamente ao velocímetro, pois as velocidades permitidas não são mais compatíveis com a capacidade das vias. A cotidiana sensação de insegurança ao dirigir nas vias da cidade colide com a necessidade de obedecer regras que potencializam essa sensação.

Vivemos no dilema entre manter-se vivo e com a nossa propriedade… ou SER ROUBADO PELO ESTADO.

O que mais me espanta é a incapacidade das autoridades do estado – e da grande maioria da população brasileira – de perceber que quanto mais regras e leis moralmente questionáveis, mais se burla estas leis!

Quando as únicas leis são aquelas que todos consideram como corretas e válidas, elas tem uma grande força moral, quando se tem leis que as pessoas separadamente não consideram como corretas e válidas, elas perdem sua força moral.

Por exemplo:

Qual a objeção moral ao excesso de velocidade? Não estou dizendo que se possa ter uma objeção “prudencial” ao excesso de velocidade, você pode ter medo de ser pego. Mas parece ser imoral o ato de acelerar? Se for, é uma pequena minoria!

Qual a objeção moral ao transitar sem uso do cinto de segurança?

Perceba que da noite para o dia, aqui em São Paulo, milhares de motoristas tornaram-se foras-da-lei por transitar nas vias das marginais em velocidade superior a estabelecida, permitidas até então.

Hoje (04/2016) está aprovada uma nova regra de trânsito obrigando que se trafegue sempre com os faróis do veiculo acesos em rodovias. Será mais alguns milhares de contribuintes punidos por não cumprir tal regra.

Outro exemplo?

a) Um motociclista é penalizado com multa por pilotar com a viseira aberta, não importa se está calor e ele fica sufocado, não importa se está chovendo e a viseira embaça, não importa se ele está com mal-estar e precisa de ar no rosto. Não importa, a regra é clara, será penalizado conforme Resolução 453/13 do CONTRAN (Conselho Nacional de Trânsito), em seu artigo 3º, inclusive com suspensão da sua habilitação.

b) Se a lâmpada do seu farol queimou, não importa se aconteceu a um minuto, uma hora ou um dia, será penalizado com multa e suspensão do direito de dirigir por um determinado período, conforme artigo 244, IV CTB).

c) Se o seu capacete não tem um selinho específico (INMETRO) será penalizado com multa, suspensão e recolhimento da sua habilitação (conforme artigo 244, I CTB).

d)Todos nós, motoristas, somos obrigados a andar com um pedaço de papel como garantia de que os tributos/taxas foram recolhidos, mesmo que as diligências tenha ferramentas para consultar estes dados, nessa questão a prova de inocência é do acusado, uma inversão de justiça, que diz claramente que a prova de culpa é de quem acusa.

?? Quem são as vítimas desses crimes ??

São essas mesmas pessoas que nunca pensaram nem por um segundo em roubar um centavo de seu vizinho, mas não hesitam em passar no sinal vermelho na madrugada de Sampa.

Por quê? Porque enquanto um conjunto de leis tem um valor moral que as pessoas reconhecem, independente do governo ter aprovado essas leis, o outro conjunto de leis não apela ao instinto moral das pessoas.

Penso que seja importante que isso fique claro nas nossas mentes, para não cairmos na narrativa desonesta de que qualquer ato imoral tem o mesmo “valor”, a mesma “força”, pois tal retórica é usada para que criminosos do mais alto grau de periculosidade, e principalmente os mais sujos corruptos do governo, nos culpe pelos delitos cometidos por eles, comparando nossas condutas menores, essas que não tem apelo instintivo de moralidade, com seus próprios atos criminosos.

Por essa razão vemos ministros do Brasil justificando atos de corrupção em seu governo sob alegação “cultural” (Urgh!), comparando o comportamento do cidadão mal-educado que joga papel no chão, ou de um cidadão que para livrar-se de um policial rodoviário corrupto (pois tem poder para corromper) aceita se corromper pois esqueceu aquele papelzinho em casa e está a 500 Km de distância, e essa penalização lhe custará muito mais tempo e dinheiro.

Estamos vivendo em um tempo que para se fazer qualquer coisa deve-se ter permissão do estado, quando o certo seria o inverso

Deveríamos ter um estado que nos garantisse fazer o que quiséssemos, desde que se respeite direitos fundamentais de terceiros, como a VIDA, a LIBERDADE e a PROPRIEDADE!

A constituição deve representar não uma concessão de poder dos governantes aos governados mas uma delegação de poder feita pelo povo ao governo que criou!

 

Este vídeo é exemplar, veja: O que torna um país corrupto? (Milton Friedman)

Fui!

Mathias.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s