Vamos falar sobre violência?

Publicado: 22 de janeiro de 2015 por Kzuza em violência
Tags:,

Outro dia me deparei com um post inteligentíssimo no Facebook (coisa rara nos dias atuais), onde a autora dizia: “Bandidos não são oprimidos! Os oprimidos somos nós, trabalhadores e cidadãos de bem, que não temos segurança de que, ao sairmos de casa pela manhã, iremos retornar vivos ao final do dia!”. Achei brilhante! O post ainda continha outras sentenças menos marcantes (mas não menos inteligentes) a respeito da execução do traficante brasileiro na Indonésia.

Eu nem escrevi a respeito do assunto por aqui porque, sinceramente, achei de uma irrelevância tão grande o assunto que não valeria à pena gastar meu tempo com ele. É como um cronista esportivo comentar o resultado de um jogo da terceira divisão.

Mas achei pertinente abordar aqui um assunto importante acerca do tema do post do Facebook.

Infelizmente muita gente possui uma dificuldade tremenda de assumir as responsabilidades sobre as coisas que deram errado de alguma forma em suas vidas. Há, no brasileiro em geral, uma resistência muito grande em admitir os próprios fracassos, ou de admirar (e se espelhar em) os sucessos dos outros. Estou estudando a respeito disso agora, então acho que um dia chegarei à conclusão de porque tendemos quase sempre a culpar outrem pelas nossas derrotas.

Não é difícil encontrar gente que considere que a maioria dos bandidos, na verdade, é vítima de uma sociedade economicamente desigual e racista. Algo como: o homem não é mau, a sociedade é que o torna mau. Sinceramente, esse discurso romântico sempre me pareceu bastante razoável até algum tempo atrás, mas hoje penso diferente. Prefiro concordar com a autora do post, quando ela disse: “A impunidade é uma das grandes responsáveis pelo que vemos hoje em dia, pois as pessoas perdem o medo de algo acontecer se fizerem algo de errado”. Conseguem entender a diferença?

O argumento que tenta explicar (ou justificar) a violência das pessoas com base no meio em que vivem é completamente falacioso e moralmente desonesto. Quem se usa desse tipo de argumento não consegue desprender o indivíduo da sociedade e passa a considerar que o um é o todo, e o todo é um. É como se as pessoas não tivessem escolha própria e seguissem, cegas, por um caminho ditado pela manada. Ou pior, é como se a maioria então fosse bandida e somente uma minoria, com muita sorte, conseguisse escapar para o caminho do bem.

Talvez se vivêssemos em uma ditadura (talvez), eu pudesse dar alguma credibilidade a esse tipo de argumento. Se as pessoas não tivessem opção de escolha, se o modo de vida lhes fosse imposto por uma entidade superior, aí sim faria algum sentido. Mas não, se as pessoas têm essa opção de trilhar o caminho do bem, por que não o fazem?

Cresci e fui criado em condições sociais e econômicas muito similares às dos meus vizinhos. A maioria esmagadora seguiu o caminho normal: o do bem. Trabalham. Estudam. Cuidam das suas famílias sem precisar fazer mal a ninguém. Alguns ganham mais dinheiro que os outros, o que é perfeitamente normal pois cada um escolheu uma ocupação diferente. E alguns, infelizmente, escolheram o caminho da bandidagem. Por algum motivo qualquer, mas sinceramente não porque a sociedade foi mais cruel com eles do que com os outros.

É possível que a tal impunidade, mencionada anteriormente, tenha dado um empurrãozinho neles para o caminho tortuoso do crime, mas nem mesmo ela é suficiente, sozinha, para fazer alguém se tornar ruim. É aí que eu queria chegar. A sociedade não faz ninguém ruim. A justiça falha do nosso país também não, ela apenas faz com que os ruins se sintam mais livres para cometerem atrocidades. Por isso culpo mais a impunidade do que a própria sociedade.

O fato é que não devemos tentar encontrar justificativas para quem é violento. Precisamos sim implantar formas de punir severamente quem deve ser punido e livrar os inocentes. Precisamos educar a população e focar em exemplos do que é certo ou errado, moral e eticamente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s