O pior cego é aquele que não quer ver

Publicado: 21 de novembro de 2014 por Kzuza em Cotidiano
Tags:, , , , ,

Hoje me deparei com a seguinte manchete: Projeto de Lei quer aumentar licença-maternidade para um ano. Estava lá, na minha timeline do Facebook. Mas o que me intrigou foi a série de comentários positivos a respeito da notícia. Muita gente comemorando e torcendo para que isso se concretize. Logo me coloquei a pensar: será que todos entenderam as implicações de tal projeto aqui em terras brazucas?

Não, eu não sou contra mães (e também pais) poderem passar mais tempo junto aos seus filhos logo que eles nascem. Isso é fundamental. A questão, que coloquei nos comentários do post, foi justamente a  seguinte: Quem você acha que vai pagar as contas por isso? Sabendo que não há almoço grátis, então alguém irá pagar essa conta e eu lhe convido a responder a essa pergunta. Eu, por exemplo, não me surpreenderia se as mulheres fossem (ainda mais) boicotadas no mercado de trabalho e se os empregadores passassem a diminuir suas contratações por conta disso.

Recebi duas respostas. A primeira foi: “Vai parir primeiro e depois conversamos”. Vou desconsiderá-la automaticamente pois dispensa comentários. Vou me concentrar na segunda resposta: “Ah, se fosse assim, coitadas das mulheres da Suécia, onde a licença maternidade é bem maior”. (Alguns dados a respeito dos períodos de licença maternidade podem ser encontrados aqui e aqui.)

Acredito ter havido um erro de interpretação absurdo nesse caso (ou má intenção mesmo), então acho válido deixar algumas coisas claras.

Um primeiro número a ser considerado e que acho fundamental é a questão da produtividade do empregado sueco e do brasileiro. Para facilitar, tem um quadro bacaninha aqui. Resumindo, a Alemanha é a 5ª e a Suécia é a 10ª no ranking mundial, enquanto o nosso país se encontra na 56ª posição. Há matérias muito boas a respeito de como o nosso trabalhador é improdutivo aqui, aqui e aqui (essa para mim é a melhor matéria).

Ou seja, proporcionalmente, um empregado sueco ou alemão custa bem menos que um brasileiro, pois produz muito mais com o mesmo esforço.

Outro ponto importante é que estamos comparando países desenvolvidos e ricos com nosso pobre Brasil. Antes de tomarem tais medidas assistencialistas para com os trabalhadores, esses países primeiro se desenvolveram e hoje gozam das suas riquezas acumuladas para gastarem com isso. Ou seja, primeiro pouparam, e hoje desfrutam dos benefícios. Acho desnecessário explicar que infelizmente hoje nosso país não pode gozar do mesmo. Inclusive, os países escandinavos atualmente já começam a receber as contas desse tipo de política assistencialista, como o aumento no número de imigrantes e, consequentemente, moradores de rua.

Também é necessário observar o crescimento populacional dos países analisados. Enquanto nós aqui temos (em números de 2006) um crescimento anual de 1,26%, a Suécia tem números na casa de 0.45%. Já a Alemanha apresenta uma taxa negativa de 0,07%. Sendo assim, o impacto de um período maior de licença maternidade nesses países desenvolvidos é muito menor do que aqui, não é mesmo?

A minha questão, sendo assim, é o que eu venho dizendo há muito tempo aqui nesse espaço. Os nossos direitos trabalhistas adquiridos ao longo do tempo e que vêm sendo ampliados através de uma sequência de governos populistas não têm tornado o trabalhador brasileiro mais rico ou mais produtivo. Pelo contrário, o efeito é totalmente nocivo para toda a população. Há um artigo aqui que explica rapidamente o que estou dizendo, analisando como o encarecimento da nossa mão de obra é nocivo para todo trabalhador.

Então, convido todos a analisarem essas decisões com mais profundidade.

Nota do autor: tem um artigo relacionado que mostra como a educação na Escandinávia é diferente do Brasil, o que explica também o porque é inviável e inconsequente comparar as nações somente por um prisma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s