A Minhoca Fluorescente
Um monte de baboseira escrita por um monte de baboseiro

out
21
Imagino que muitas pessoas que escolheram nessas eleições o programa de governo do PSDB já tiveram que responder a pergunta acima. Antes de responder eu lançaria a seguinte pergunta ao meu questionador:
“Você vota no governo do PT porque sua vida melhorou nos últimos 12 anos de governo do PT?”
Se você recebeu um “SIM” como resposta já pode tirar conclusões sobre o caráter da pessoa que fez tal indagação.
Ora, se alguém define sua escolha de governo apenas pelos resultados da própria vida concluímos que trata-se de um “IDIOTA”!
Calma, não se ofenda ainda… não uso o termo pejorativo de uso cotidiano, faço uso da expressão original grega “idiotés“, que significa:
“Aquele que só vive a vida privada, que recusa a política, que diz não à política.” 
Além de um idiota originalmente grego – aquele que está pensando somente em si – é provável que a pessoa também atribua ao Estado todas as suas conquistas, perfil daqueles com a auto-estima baixa, que não acredita no seu próprio potencial e que sustenta a ideia de um Estado-babá para zelar pelo bem-estar dos cidadãos, mesmo que o custo disso seja a própria liberdade, são os filhotes de Rousseau!
Em conjunto com as duas características vem a atual – ou pretendida – posição de espoliador.
Sim, os espoliadores usam esse argumento principalmente para manter seu Status Quo. 
São aqueles que tem benefícios privados com os rumos deste governo.
Em sua maioria são: 1) servidores públicos, 2) políticos, 3) anistiados, 4) comissionados, 5) pensionistas e 6) personalidades sustentadas pelo Estado.
Eu não generalizo os servidores públicos, pois existem sim bons funcionários públicos. A generalização não tem sentido, temos categorias que não são valorizadas como deveria, professores é um exemplo, o que torna evidente a má gestão do estado com seu quadro de funcionário.
Mas se você prestou concurso público, pensando nos itens abaixo, considere-se um espoliador:
a) Na aposentadoria integral – O regime de previdência dos servidores federais, que atende 953,5 mil aposentados, vai fechar o ano com um déficit superior a 62 bilhões de reais. Já o regime geral deve registrar resultado negativo de 35 bilhões de reais (Dados do ano de 2012).
b) Na estabilidade de emprego –  Cria ineficiência em todos os serviços oferecidos pelo Estado, onde qualquer reclamação pode ser entendido como desacato ao servidor (Art. 331 do Código Penal – Decreto Lei 2848/40)
c) Nas inumeráveis licenças e nos infindáveis “auxílios” – Que torna todo o sistema de funcionalismo público caro, ineficiente e elimina com os incentivos da meritocracia.
d) Nas pensões e anistias – Que criam benefícios vitalícios para as futuras gerações, corroem o sistema previdenciário e torna seus beneficiários improdutivos, e as anistias criam uma compensação atribuída das novas gerações pelas atitudes de gerações passadas injustamente.
e) Na posição privilegiada – Que enche de pilantras nossas instituições democráticas, cria uma casta de pessoas acima da lei, justamente os que deveriam garantir os direito de igualdade de todos os indivíduos, e garanta que o estado sirva ao seu povo e não o contrário.
Não posso deixar de fora a ESQUERDA CAVIAR, não são funcionários (Só não tem a carteira assinada), mas mamam nas tetas do estado e das políticas de incentivo a cultura por serem “amigos do rei”. São artistas e intelectuais, que defendem o atual governo para garantir remuneração artística mesmo que não haja interesse do povo.
Portanto são os IDIOTAS (Originalmente grego, mas também cabe o termo pejorativo!), ESPOLIADORES ou PESSOAS SEM DIGNIDADE… pode ser as três características tudo junto e misturado, que dão essa resposta a sua pergunta.
São estas as principais características das pessoas que responde SIM a você.. e que votam no PT porque sua própria vida melhorou.
Isso pode ser defendido como ético e moral? 
Poderia alguém defender o caráter dos integrantes da Nomenklatura da União Soviética sob tal argumento?
Todos da nomenklatura tinham uma garantia de vida próspera, gozavam da simpatia do Partido Comunista, tinham privilégios e vantagens inacessíveis para o restante da população, que vivia sem liberdade de criticar o regime totalitário, e qualquer tipo de atitude de oposição garantia uma longa estadia nos Gulag’s da Sibéria ou Ucrânia. Leon Trotsky, até então parte da Nomenklatura, ao questionar essa classe burocrática foi considerado um inimigo e morto com um golpe de picareta na cabeça, isso porque já estava exilado no México!
Poderia alguém achar justificável que haja diferenciação de direitos entre os indivíduos? 
É o que está acontecendo, me lembro que a luta sempre foi pelo fim da espoliação, principalmente da classe política que sempre se beneficia por legislar em causa própria.
Hoje a política do PT promove a espoliação sob o argumento da igualdade de resultados, um absurdo!
O PT fomenta a criação de novas castas privilegiadas: racial, cultural, orientação sexual, de gênero e classe social.
Tudo isso justificado pela ideia da necessidade de algum tipo de compensação, seja histórica, cultural, de aceitação social ou até por padrões de normalidade estabelecidos espontaneamente por toda a sociedade!
É o inverso da igualdade de direitos, é a subversão do direito com o desejo, inverte os mecanismos da democracia e põe em risco o princípio da liberdade individual!
Depois de conhecer seu caráter, minha resposta a primeira pergunta é:
Sim, minha vida melhorou nos últimos 12 anos, mas eu voto em Aécio porque dou mais valor a minha liberdade do que as minhas conquistas pessoais!
O estado não tem nada a ver com isso, seja ele do PT ou PSDB, quanto menos o estado se meter na minha vida melhor. Acho ainda que se o estado não usasse de coerção e não roubasse mais da metade do rendimento do meu trabalho estaria muito melhor hoje, eu e todos as pessoas ao meu redor!
Garanta o básico e não atrapalhe, o artigo 5º da Constituição é quase suficiente!
“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”
O atual governo do PT dá provas que faz de tudo para manter-se no poder, aparelharam todas as nossas instituições democráticas com intuito de centralizar ainda mais poder. Agora nas eleições proliferam o ódio com mentiras de todos os tipos e divide as pessoas para ganhar as eleições.
Não há como conciliar a democracia e a política que o governo do PT promove, porque não é compatível, e o custo dessa política é o cerceamento, cada vez maior, das nossas liberdade individuais sob o pretexto de garantir bem-estar de todos, custe o que custar!
Defendo a nossa liberdade individual por princípio, e acredito que é isso promove espontaneamente aumento de qualidade de vida de todos que querem melhorar. É de direito buscar nossa própria felicidade, seja ela qual for, respeitando os direitos de terceiros e as leis justas.
Se você respondeu: “NÃO, minha vida não melhorou”, e mesmo assim acredita nas atuais políticas do PT voce não é muito melhor do que os que responderam SIM, mas seu perfil fica para uma próxima!
FUI!
Mathias.
out
06

eleicoes-2014-urna

Antes de mais nada, antes que me julguem, dois dados importantes: sou paulistano, nascido e criado aqui, e votei em Aécio Neves para presidente.

Se isso não foi o suficiente para você parar a leitura do texto por aqui, gostaria de deixar o meu muito obrigado.

Em segundo lugar, queria dizer aqui que estou completamente decepcionado com essas últimas eleições e com o quanto nosso povo é alienado e desrespeitoso. Como eu sempre digo, nós temos um país muito melhor do que merecemos como povo. O Brasil ainda é, para mim, o melhor lugar do mundo para se viver, por ‘n’ motivos para os quais eu necessitaria de outro post para explicar.

Não acho que meu voto foi melhor ou pior do que qualquer outro. Aliás, mais para a frente eu explico qual foi o meu raciocínio.

O que mais me decepcionou mesmo foi a incoerência de muitos comentários que li pelo Facebook e a intolerância com a opinião alheia. Eu sinceramente já esperava, assim como foi em 2010, comentários xenofóbicos após os resultados do primeiro turno, mas dessa vez a turminha se superou.

A palhaçada já começa com o pensamento praticamente padrão entre a elite que se diz esclarecida de que o PT precisa sair do poder a qualquer custo. A imbecilidade já começa por aí. Sou perfeitamente a favor da alternância de poder e também contra muitas das políticas adotadas pelo atual governo, principalmente sua fome incessante pelo poder. Agora sequer analisar em quem estou votando somente para tirar o partido de lá é, para mim, totalmente insano.

Outra coisa que para mim não faz sentido é apostar as fichas no partido social democrata brasileiro. Quando não sei quem mencionou que o brasileiro tem memória curta, talvez não imaginasse que fosse tão curta assim. Essa mesma galerinha que hoje prega o retorno dos tucanos ao poder votou em Lula em 2002 para pôr fim às falcatruas do governo FHC e à sua política econômica. O Estado totalmente aparelhado, as inúmeras denúncias de esquemas de corrupção que NUNCA sequer foram investigadas, a dívida externa crescente, a inflação alta (mais do que a atual), o câmbio que atrapalhava as nossas exportações, o funcionalismo público sofrendo sem reajustes salariais (se você não tem funcionário público na família, pergunte a alguém que era nessa época e tire suas conclusões), o ensino superior totalmente sucateado e elitizado (sem essa história de FIES e SISU), tudo isso fez com que todos corrêssemos para o PT como a única salvação. Deu no que deu.

Estamos agora votando num partido que conhece como ninguém todos os caminhos insólitos de Brasília. Um partido que sempre praticou, onde quer que estivesse, a corrupção como se fosse a coisa mais natural do mundo. E para ajudar, aparelhou-se de todas as formas, de maneira que nada fosse investigado ou punido. Quase igual ao PT faz. Quase.

Agora nada supera a xenofobia paulista que, sinceramente, me deixa com uma vergonha alheia tremenda.

Primeiramente, um Estado que elege, entre os seus deputados, nomes como Tiririca, Marcos Feliciano e Andrés Sanchez deveria sentir vergonha. Como se não bastasse, ainda reelege em primeiro turno o governador do partido que está à frente do Estado há 20 anos. Ué? E a alternância de poder? Não era boa para a democracia? Um Estado com a educação pública sofrível que tem, com uma USP cada vez mais falida e sem verba, com uma Santa Casa que era hospital de referência e agora está prestes a fechar as portas, cuja segurança pública sofre há anos, onde estamos à mercê de uma organização criminosa que domina o estado (PCC), com os mais diversos escândalos em processos licitatórios do metrô, cujas rodovias são as mais modernas do país, mesmo que isso signifique preços completamente abusivos de pedágio e um estado dominado por uma única concessionária (CCR, comprovadamente ligada ao PSDB). Mesmo com tudo isso, reelegemos nosso governador e nos achamos melhores do que outros estados? É isso mesmo? Faz sentido?

Cheguei a ler com comentário, compartilhado por um amigo meu, de um ser mais exaltado propondo a independência do Estado de São Paulo. Veja o ponto aonde chegamos. Nós nos achamos tão superiores assim ao restante do país? Um povo que adora odiar a maior cidade do país, reclamando de tudo o que acontece por aqui (do trânsito, do povo, da poluição, da super população, do transporte e da puta que pariu), ainda assim quer se tornar independente? Para quê? Para podermos sofrer mais com o mesmo? Para podermos eleger quantos Tiriricas e Felicianos quisermos, sem ninguém pra nos infernizar?

O fato é que, infelizmente, cada um vota olhando para o seu próprio umbigo, e não pelo bem do país. Isso é natural, meus caros amigos. Você aí que acha o Bolsa Família um absurdo, um benefício que só sustenta vagabundo, etc. e tal…. sinceramente, você acha que os tucanos vão acabar com isso? Hahahahahahahahaha…. faz me rir.

É natural que o Nordeste seja o maior colégio eleitoral do PT. Ninguém nunca governou o país pensando neles. É óbvio que eles votam e continuarão votando em quem os ajudou, independente se tenha sido da melhor forma ou não. A discussão aqui não é essa. Eu também acho que o Bolsa Família tem muito o que melhorar e que o programa sozinho, como funciona hoje, não ajuda a desenvolver o país, mas não dá pra negar que dá uma sobrevida a quem mais necessita. Espero mesmo que o novo governo ajude a desenvolvê-lo como um meio de crescimento sustentável. Mas se esse fosse o único motivo pelo qual o povo vota no PT, tendo em vista que o programa atinge 25% das famílias brasileiras, de onde então vieram os outros 16% dos votos válidos que a presidente teve? Radicais (ou alienados) como os que estão aos montes se multiplicando no Facebook, irão elaborar as mais diversas teorias conspiratórias, desde a adulteração das urnas até fraudes no processo de apuração. Eu não vou nem discutir esse ponto, porque se você chega a esse tipo de conclusão, acho que esse país já é demais para você.

Eu sinceramente não consigo me lembrar o que era melhor na época do governo FHC em relação ao que é hoje em dia. Tirando o fato de que tínhamos um presidente extremamente inteligente, culto, que sabia se falar e se portar em público, eu talvez tenha de fato uma memória fraca. E agradeço quem puder me ajudar.

Gozado é que a maioria do povo que eu conheço que votou em Aécio Neves está muito bem empregado, recebe salário em dia, leva uma vida confortável, alguns até viajando para o exterior uma vez ao ano… A maioria também possui automóveis novos, gadgets importados, TV por assinatura, internet de banda larga para poder postar o que quiser no Facebook…. A maioria também possui convênio médico e não depende da saúde pública para nada. Enfim, não têm o que reclamar da vida. O que o PSDB então pode trazer de melhor? Ou, mudando a pergunta, o que o PT fodeu tanto a sua vida assim nos últimos anos para essa raiva tremenda?

Porra Zuza, então vota no PT logo e não me enche o saco! Seu petista de merda! Alienado! PTralha!

Não, não voto. Votei no Aécio assim mesmo. E não, não estou feliz com isso, mas também não estaria feliz elegendo uma despreparada para o governo, então fui no menos pior de todos. Não havia outra opção para mim. É claro que cada um tem sua escolha e quase todas são justificáveis, exceto as intolerantes e as não pensadas. A mudança nesse momento se faz necessária pelo término desse ciclo no poder. Voto pela renovação, mas não a qualquer custo. E também não tenho ilusão de que o próximo governo será melhor que esse. A merda continuará a mesma, mas espero que as moscas sejam diferentes…

set
26

Para mim, tem sido cada dia mais difícil ser um cara que gosta de opinar. Eu poderia muito bem me recolher na minha insignificância, ser um cara introvertido, guardar para mim mesmo as minhas opiniões… mas Deus não me fez assim. Eu gosto de concordar e discordar das coisas, gosto dos meus “achismos”, e não ligo em me expor.

O problema disso tudo é que o mundo moderno trouxe consigo uma quantidade enorme de cagadores de regra. A patrulha da opinião alheia é cada dia mais forte. Não basta você ter uma opinião, por mais superficial que ela seja, você precisa defendê-la até a morte e prová-la verdadeira, para tudo e para todos. E não me venha com opiniões baseadas no seu sentimento ou em “achismos”: você precisa de provas. Você precisa embasar tudo o que diz e o que pensa. Se você não fizer isso, você é um mero ser manipulado pelo sistema. Você é um burro.

Nessas horas sinto saudades das conversas com a minha irmã. Nós sempre divergimos em muitas opiniões, mas nossas discussões sempre terminaram com um “Eu não concordo”, e bastava. Eu posso respeitar um ponto de vista de outra pessoa, mesmo que eu não o compreenda totalmente. E nem por isso preciso ridicularizá-la ou humilhá-la por conta de um ou outro argumento falho, ou por falta de clareza nos raciocínios, coisa e tal.

Mas eu credito boa parte disso ao fato de que estamos sendo cada vez mais individualistas. Nós passamos cada vez mais a julgar as coisas somente pela realidade que observamos. Ficamos cegos pelas pessoas com as quais convivemos e pelo mundo o qual conseguimos tocar. E aí quando ocorrem fatos fora dessa nossa realidade, não conseguimos compreender, e por isso achamos absurdos.

Está cada vez mais complicado entender que vivemos em sociedade, e que essa sociedade é composta pelos mais variados indivíduos, cada um com sua própria realidade, cada um com seus próprios sentimentos, cada um com suas próprias necessidades. E assim, quando vemos que alguém tem suas necessidades atendidas de alguma forma, nem que para isso nós tenhamos que abrir mão de alguma coisa, passamos a nutrir aquele sentimento de injustiça, ou mesmo de inveja.

Aceitar que o país em que vivemos não é só meu ou seu, pode parecer complicado, mas não é. Muitas vezes a gente precisa ceder um pouco para que o outro ganhe. Amanhã vai ser a vez dele ceder um pouquinho para que nós nos sintamos melhor. E assim segue a vida, assim segue a nossa sociedade.

Esperamos sempre que o mundo mude para melhor para atender às nossas necessidades, mas nem sempre estamos dispostos a mudar nós mesmos em prol de um mundo melhor.

set
19

9443391_p90bM

Durante muito tempo relutei em escrever aqui sobre o caso do goleiro Aranha lá na Arena Odebrecht, em Porto Alegre. Isso porque o assunto é extremamente delicado e eu não sou, em hipótese alguma, um diplomata para tratar esse tipo de coisa com sutileza. Então é certo que muita gente pode me condenar pelo que eu vou escrever, achar que eu sou um monstro criminoso, coisa e tal. Eu quero mesmo é que se foda. A minha moral só a Deus cabe julgar, então fico tranquilo na minha consciência.

Mas o fato foi que o Santos voltou à Porto Alegre ontem para mais uma partida de futebol e a torcida deu mais um show de estupidez, concordando com o que foi feito da outra vez por alguns torcedores, e isso colocou toda a minha argumentação abaixo.

Isso porque, diante do primeiro episódio, eu achei que o negócio tinha tomado uma proporção totalmente indevida. Coisa de um mundo hipócrita do caralho e de uma mídia que adora criar polêmica. Para mim, toda a audiência criada em cima do caso foi coisa de sensacionalismo. Coisa de quem nunca foi a um estádio de futebol. Não que eu ache que a garota estava certa em xingar o cara de macaco, nada disso. Nem que o fato de estar dentro de um estádio permita ao indivíduo ficar fora de si. Mas até aí, jogar a menina no meio dos leões para ser devorada é de uma crueldade mil vezes maior do que as ofensas por ela proferidas ao goleiro em um JOGO DE FUTEBOL (sim, em maiúsculo e negrito, para ter o verdadeiro destaque). A mídia até hoje não nos deixou esquecer do rosto da garota, nem dos gritos proferidos por ela. Isso em uma situação de emoção extrema, em um estádio de futebol, com o seu time perdendo um jogo em uma competição importante.

Se alguma câmera de TV tivesse me flagrado em um estádio de futebol xingando jogadores (do meu clube e adversários) na época em que eu frequentava estádios, veriam que a menina foi uma lady. Não, nunca xinguei um jogador de preto, macaco, ou qualquer outra designação para sua cor de pele, mas posso lhe garantir que foram coisas bem mais pesadas.

Eu diria que a injúria racial é tão ruim quanto a ofensa relativa à opção sexual do cara, e nem por isso estamos reprimindo isso em estádios de futebol. Crucificar a garota agora me parece de uma desproporção absurda. Deixem que os tribunais a julguem da maneira adequada pelo erro. Já vi coisa muito pior por aí acontecendo e a mídia esquece tão rápido que não vemos o criminoso tendo casa incendiada, nem sendo ofendido em público, nem tendo que se esconder em casas de diferentes amigos e parentes para sobreviver.

Só que aí a torcida vai lá e faz essa bosta que fez ontem, e aí a coisa tomou uma proporção muito maior. Vaiar o goleiro, em específico, e ofendê-lo com palavras irônicas simplesmente pelo fato de que “macaco” não pode é muito pior do que o fato isolado da primeira vez. Dessa vez sim o negócio foi direcionado e pensado, passando sim a configurar um ato grave. Isso por si só já bastaria.

Mas mais uma vez a mídia sensacionalista vem e caga em cima de tudo, procurando pêlo em ovo e tentando encontrar outro Judas. O coitado agora é um cara que aparece xingando o goleiro de “Fedorento”. Putaquepariu! Eu xingava meus amigos de 2ª série de fedorento, vai se foder! Fedorento! Volto ao parágrafo ali em cima, onde mencionei os xingamentos que aprendi em estádios de futebol, e que por lá ficavam. Se houvesse câmeras assim na minha época, eu certamente já havia sido esquartejado em público.

set
17

20140916_213055
Ontem, meu aniversário, recebi uma pequena lembrança da corretora de seguros na qual fechei o seguro do meu carro no último ano. Após mais de 10 anos com uma corretora que só se lembrava de mim quando meu seguro estava para vencer, esse novo pessoal me surpreendeu. Achei a estratégia ótima e uma bela forma de se respeitar o cliente.

Mas não é sobre isso que eu quero falar não.

A foto acima ilustra um problema grave que temos hoje em dia e que pouca gente se dá conta. A ideia da foto partiu de um papo que tive uma vez com minha irmã, engenheira ambiental. Ela comentou sobre um trabalho que um professor dela da faculdade estava conduzindo sobre a quantidade de lixo produzida por nós diariamente. Minha irmã trabalha em uma empresa de engenharia que, entre outras coisas, cuida de projetos de implantação e manutenção de aterros sanitários aqui na Grande São Paulo.

O trabalho desse professor consistia em documentar a quantidade de material supérfluo produzido e descartado por nós quando consumimos algum produto.

Volte para a foto e observe bem atentamente. O produto final, o presente em sim, são 2 barras de chocolate de 40g cada uma. E dê uma olhada na quantidade de material inútil que foi utilizado para que esse presente chegasse até mim:
– Uma caixa de papelão dos correios;
– Uma caixa de isopor;
– Uma embalagem de papel reciclável;
– Uma fita de cetim para amarrar a embalagem de papel;
– Um saco plástico onde estavam os chocolates dentro da caixa;
– Duas embalagens de papelão contendo os chocolates.

Dá para ter noção da quantidade de lixo que foi gerada para que eu possa comer 80g de chocolate? Tá, vamos lá, boa parte disso é material reciclável e tomará o destino certo, mas será que realmente precisamos de tanto?

Você já reparou no tanto de lixo que você produz na sua casa? Já parou alguma vez para pensar qual o destino que isso leva?

Acho muito engraçado toda essa onda de sustentabilidade que norteia nossas empresas no mundo moderno. Todo mundo querendo ser cada vez mais verde, cada vez mais bonitinho e limpinho. Só acho muito interessante que ninguém peça para que você consuma menos, não é mesmo?

Caminhamos para o esgotamento dos recursos naturais do nosso planeta num ritmo avassalador e sequer nos damos conta. Visamos cada vez mais o tal crescimento econômico. Para podermos produzir e consumir mais e mais. Para termos condições de vida melhor, para que possamos viver mais e, consequentemente, consumir cada vez mais recursos.

Por quanto tempo será que nossa raça sobreviverá?

set
15

“Sou muito legal, um cara bacana,
comendo folha de alface, pedalando nas ruas paulistanas!”

bike2

A rima não é boa mas a “novidade” em Sampa sim! … são as ciclofaixas.

Os engajados em melhorar o mundo na pedalada ovulam ao passar por cima das ciclofaixas pintadas nas principais vias da cidade, excelente para passeios de domingo com a criançada.

Mas e o dia-a-dia?
Ciclofaixas merecem prioridade na política de mobilidade urbana?
A maioria das pessoas tem como usufruir da oferta?
E a última, qual o perfil dos principais beneficiados?

Os principais beneficiados usam bikes descoladas – de preferência aquelas dobráveis, ecologicamente sustentáveis – capacete, óculos escuro, par de luvinha de neoprene, squeeze com isotônico gelado e mochila nas costas. E assim vai o virtuoso pedalando, apreciando o ensolarado céu de Sampa, ao trabalho com a consciência limpa pela não-emissão de CO2 na atmosfera.
Provavelmente mora em algum bairro do centro: Jardim Paulista, Consolação, Higienópolis, Bela Vista, Pinheiros, Pacaembú ou Vila Nova Conceição, e “trampa” a uns 4, 5 ou 6Km de distância.

O moderninho da-se o luxo de pedalar e chegar ao posto de trabalho antes de ser consumido pela transpiração corporal, nos dias secos e quentes da primavera pode usar a academia chique pertinho do “trampo” para tomar uma boa ducha ou simplesmente usar o vestiário para trocar a “beca” esportiva pela formal.
E a bike, onde fica? Se for daquelas dobráveis (R$2000,00 na média) é só levar junto, senão paga um estacionamento para a Magrela. Em dias chuvosos e de cansaço devido a baladinha da noite anterior opta pelo Metrô ou pega um táxi baratinho… 20 conto!

Agora fico imaginando o João, que mora na Av. Olaria perto do Parque Raposo Tavares, indo de bike para a Rua Pamplona esquina com Alameda Santos.
Pertinho, só 12Km, precisa andar pela Rodovia Raposo Tavares ou Avenida Eliseu de Almeira, depois atravessa a Marginal Pinheiros quando finalmente chega no pé da Rua Pamplona e vislumbra uma “subidinha” que assusta até os apreciadores de pedaladas mais agressivas, chega ofegante não tem onde tomar uma ducha, nem vestiário para trocar a roupa encharcada de suor… e a bike?
Também penso na Dona Maria indo ao trabalho de bike, da Vila dos Remédios até a Rua Cerro Corá, na Lapa, só 6,5Km mas será que ela aguenta? Ela tem um velho problema de hérnia de disco e hoje vai de carro porque morre de dores nas costas quando usa o transporte coletivo.
Nem vou exemplificar com casos de moradores de Perus, Cidade Tiradentes, Tremembé ou Parelheiros por ser uma covardia de distancia!

Mas não é assim tão ruim, o João e a Dona Maria continuam com a alternativa do velho e conhecido Busão, agora mais ineficiente pois cedeu espaço para uma nova ciclofaixa exclusiva, linda, vermelha, brilhante… e vazia, de segunda a sexta!

Já o “conscientinho” vai aproveitar bastante da ciclofaixa (conforme sua conveniência) pode sugere que as pessoas morem próximo de onde trabalha… É óbvio. Fácil assim… como se mudássemos de casa como ele troca de Smartphone!!

É a prefeitura cuidando dos cidadãos, gerindo bem nossos recursos(impostos) em benefício dos que mais precisam de transporte público, zelando pelo nosso bem estar e promovendo novos hábitos de saúde. Uma forma “compulsória” de conscientizar todas as pessoas a usar menos o carro (malditos carros opressores capitalistas!) e diminuir a circunferência abdominal!

Deixando o espírito LuizFelipePondéano de lado, juntamente com o espantalho do “virtuoso” que usará as ciclofaixas quando lhe for conveniente, a minha crítica não é sobre à ciclofaixa da Av. Paulista (principal polêmica), que me parece ser a única realmente planejada pelos “sábios” urbanistas da prefeitura.

O problema é ignorar fatos e enaltecer ideias… mesmo ideias estúpidas!

Ninguém procura entender o porquê da pouca adesão de bicicletas como meio de transporte diário em um aspecto mais amplo, e criam soluções como se o único problema da cidade fossem as vias mal planejadas “antidemocráticas” (urgh)!

- São Paulo é enorme, somente de área urbana são 900mil km²;
– A moradia da maioria da população é periférica e trabalham bairros do centro, longe de casa;
– A geografia não ajuda, não temos planícies, só subidas e descidas a cada 1Km em qualquer região,
– O clima não ajuda, nos meses de estiagem é tão seco que sangra o nariz, quando é primavera/verão temos chuvas imprevisíveis, além da poluição/fuligem que não perdoa um colarinho branco por mais de 20 minutos de trânsito.
– Imagino que 99% das empresas, indústrias e escritórios não possuem estrutura necessária para receber os empregados. E não acho que é de responsabilidade das mesmas fornecer tal estrutura. A prefeitura também não tem estrutura alguma para isso!

Em resumo, a implantação das ciclofaixas é um incentivo mínimo para substituir o carro como meio de transporte diário da maioria das pessoas simplesmente porque o problema é muito maior que a falta dela e serve somente ao espantalho do começo do texto.

É “legal” incentivar o uso de bicicletas assim como andar a pé, mas de boa intenção o inferno está cheio. Mas deve-se respeitar a liberdade das pessoas na escolha de como se locomover, e que paguem o preço por isso.

Outro ponto que me “emputece” é a inexistência de incentivo para o uso de motocicletas como transporte diário, essa sim, uma opção viável para a maioria absoluta da população, principalmente os mais pobres, hoje os principais usuários, ganha-se tempo e gasta-se menos até que transporte público!

Quem usa não volta atrás (é o meu caso), mesmo com o elevado risco de acidentes o benefício é enorme!
Mesmo com todo o preconceito e obstáculos impostos pelo estado que encara a motocicleta como inimiga da saúde pública, causadora de um “genocídio” urbano e ferramenta de bandido!
Além disso, esconde que os índices de acidentes e os número de novas habilitações aumentam proporcionalmente, e o número de acidentes com pedestres lidera todo ano.
A única “motofaixa” por aqui (Avenida Sumaré) foi desativada para implantação de um corredor de ônibus, esta que não durou uma semana e foi também desativada, a motofaixa não foi restabelecida!
O legislativo tenta de todas as formas obstruir novos motociclistas, restringe circulação em algumas vias alegando alto índice de acidente, além de aumentar taxas anuais alegando cobrir seguros. Hoje o valor do seguro obrigatório de uma motocicleta é o dobro do valor de um carro, sendo que um carro de passeio transporta até 5 pessoas!
É muito mais que isso, mas fica para um próximo desabafo.

http://www.cetsp.com.br/noticias/2014/03/20/pela-primeira-vez-em-8-anos-o-numero-de-acidentes-fatais-na-cidade-cai-em-todas-as-categorias.aspx

E você o que acha?

Att,

Mathias

set
08

Lei_ciclovias_sorocaba

Há pouco mais de um ano comprei uma bicicleta para poder fazer algum tipo de exercício físico e tentar amenizar a minha vida sedentária. E foi aí também que comecei a prestar um pouco mais atenção no comportamento das pessoas nas ruas, sejam elas pedestres, motoristas, motociclistas ou ciclistas.

Sempre fui adepto de carro. Acredito ainda que, em uma cidade como São Paulo, o carro deixou de ser um luxo há muito tempo e se tornou uma necessidade. Não me vejo sem carro por aqui, mesmo que há mais de 3 anos e meio eu utilize apenas transporte público para vir trabalhar e fazer algumas atividades mais corriqueiras. E não faço isso porque sou um “ecochato” ou porque acho que posso salvar o planeta. Não. Simplesmente tenho como vir e voltar do trabalho de forma relativamente confortável utilizando ônibus ou metrô (sim, tenho duas opções!), coisa que nem todos têm. Além disso, sofro de um pavor absurdo por trânsito, o que me faz pensar duas vezes antes de sentar ao volante. De qualquer forma, nada substitui o seu próprio carro para longos trajetos aos finais de semana, compras no supermercado, viagens, etc. e tal.

Mas a bike me possibilitou ver as coisas por uma ótica diferente. A bicicleta, nas ruas, é a segunda presa mais frágil, perdendo somente para o pedestre (embora em muitos casos, até o pedestre se sobressaia). Então cada vez que saio de casa para rodar, estou sempre munido de uma garrafa d’água, um capacete e uma boa dose de medo. Sim, porque o medo é ingrediente fundamental para a sobrevivência do ser humano, principalmente quando ele está sob ameaça. E é exatamente assim que o ciclista se sente no trânsito: ameaçado. Não que todos os motoristas desrespeitem os ciclistas, pelo contrário; a maioria mantém distância segura e até dá a preferência para os que estão sobre duas rodas. No entanto, não é muito tranquilo circular cercado por veículos várias vezes maiores que o seu, sem saber se quem está dentro é educado ou não.

Enfim, não é uma questão de generalização, pois como disse, a maioria dos motoristas e dos ciclistas se respeitam mutuamente, mas algumas exceções a essa regra mostram o quanto nós somos um povo despreparado e mal educado. Ontem eu estava com minha esposa próximo ao shopping Metrópole, em São Bernardo do Campo, e presenciamos uma cena lamentável. Nós não vimos o que aconteceu antes, mas bem na nossa frente um ciclista começou a discutir com um motorista de ônibus, alegando que ele quase o havia atropelado. E a discussão começou a esquentar de uma forma absurda, com xingamentos de todos os tipos, e nenhum dos dois parava. O motorista passou a perseguir o ciclista, ameaçando jogar o ônibus em cima dele. Enfim, uma baixaria total, até que o ciclista subiu com a bicicleta em um canteiro e ficou esperando o ônibus ir embora. A questão aqui não é nem quem está certo ou errado nessa discussão. A verdade é que ninguém se respeita, e isso dificulta muito as coisas.

No centro de São Paulo, onde trabalho, a prefeitura implantou agora uma ciclovia. Ainda é muito cedo, na minha opinião, para saber se vai funcionar ou não, se as pessoas vão começar a mudar de comportamento ou não, mas eu acho a iniciativa extremamente válida. Investir em uma via de transporte alternativo realmente me parece uma boa ideia, principalmente porque isso aqui em São Paulo vêm sendo acompanhado de investimentos em corredores exclusivos de ônibus, renovação da frota de ônibus com veículos extremamente modernos, e também em investimentos constantes em novas linhas de metrô e VLT, cujas obras demoram bem mais para serem finalizadas. Enfim, eu acho que o caminho está certo.

Porém, as ciclovias por si só não resolvem o problema. Isso porque o povo não foi educado para isso, e é aí que mora o problema. Como foi bem descrito essa semana em reportagem da Folha, as faixas não vêm sendo respeitadas pelos próprios pedestres. Essa semana o Mathias presenciou um atropelamento aqui em frente ao prédio que trabalhamos, na Rua Boa Vista, pois uma senhora estava caminhando na ciclofaixa quando um ciclista estava nela.

Acabei de retornar de uma viagem pela Europa e por lá a bicicleta é um veículo tão comum quanto é uma motocicleta aqui em São Paulo. Em muitos lugares que visitamos, como Zagreb e Munique, não é todo lugar que possui ciclovia, e nem por isso as pessoas deixam de se respeitar. Bicicletas circulam, em grande quantidade, de forma tranquila por entre os pedestres mesmo nas calçadas, sem que ninguém se estresse ou se desrespeite por causa disso. É óbvio que a questão cultural pesa (e muito!) nessa hora, mas a diferença entre nós aqui e eles lá é gritante, e é difícil entender isso sendo que eles também são seres humanos como nós, com os mesmos tipos de emoções e razões.

Já ouvi dizerem assim: “Esses ciclistas são tudo folgado (sic)!”. E isso ilustra bem o que eu digo: a generalização é o primeiro passo para o desrespeito. Acho que falta muito para entendermos que independentemente do tipo de transporte, somos todos seres humanos iguais uns aos outros. A partir do momento em que houver respeito, todas as iniciativas de melhoria de transporte começam a surtir mais efeito.

ago
24

Teoricamente, hoje foi nosso último dia de aventuras. Isso porque amanhã iniciamos nosso caminho de volta pra casa, com um vôo daqui para Munique e, na terça, de Munique para São Paulo.

Descemos até a cidade velha hoje pela manhã. Conforme previsto, estava tudo abarrotado de turistas. Igual foi em Praga. O Zlatan já havia nos avisado que, por ser domingo, hoje a cidade estaria cheia. Fomos no sentido oposto ao que fomos ontem, na direção do porto velho da cidade. De lá saem alguns barcos para ilhas próximas daqui, mas nós preferimos ficar numa praia da cidade mesmo, a primeira logo próxima ao porto. Lugar deslumbrante!
20140824_095756

20140824_100134

20140824_100323

20140824_102241
Quando chegamos, a praia ainda estava meio vazia, mas aquilo foi virando uma aglomeração de pessoas. Topless liberado, mulherada tudo ‘cas teta de fora, uma maravilha. Até a Juliana entrou na dança.

Comemos, bebemos, e na hora que o sol estava baixando, subimos a ribanceira toda de novo para tomarmos um banho. Mais 437 litros de suor.

Voltamos ao anoitecer para jantar. Demos mais um rolezinho por lá, vimos o cair do sol (infelizmente, só deu pra pegar a luz, mas o sol já estava escondido atrás do forte), e comemos por lá mesmo. Dubrovnik foi a cidade mais cara pela qual passamos. Acho que o glamour e a novidade do lugar pesam muito, então tudo é bem caro. Mas enfim, valeu à pena conhecer.
20140824_192726

20140824_193911
20140824_214211
Nosso vôo sai amanhã às 16h daqui. Devemos só dar uma voltinha rápida pela manhã em algum ponto turístico e tchau.

Surpresa do dia: Topless liberado nas praias por aqui. E é um sossego tão grande que é tudo muito natural. Engraçado de ver. Primeira experiência nossa.

Presepada do dia: Achamos que a praia daqui era de areia, vendo de longe, mas foi pura ilusão. Mais uma de pedras. É dificílimo andar sem calçado, além de machucar. Então a dona Juliana resolveu entrar no mar (coisa rara) de Havaianas. Não preciso nem mencionar aqui que ela quase perdeu os chinelos, né?

ago
23

Finalmente chegamos ao destino final da viagem. A terra onde é gravado o seriado Game of Thrones: Dubrovnik. Também conhecida como a “Pérola do Mar Adriático”. O pessoal aqui da região da Dalmácia ama dizer que é a cidade mais bonita da Croácia.

Mas se você acha que foi fácil chegar até aqui, você está muito enganado. Hoje foi disparado o dia mais longo da viagem, o mais cansativo, mas também o mais engraçado.

Começou com os 2 paspalhos aqui saindo às 8:40h de Hvar para ir até Sucuraj, onde pegaríamos o ferry até Dvrenik, já no continente, para virmos até Dubrovnik. Tudo parecia fácil demais. A menina do albergue mesmo disse que não teria erro.

Enfim, jogamos no Google e vimos que o trajeto era de 77km (a ilha é grande pra cacete!) e o tempo estimado seria de 1:44h. Porra, quase 2 horas pra fazer 77 quilômetros? É, amigos, é aí que mora a pegadinha. De Hvar até Stari Grad, a estradinha que corta a ilha é até de boa. Não é duplicada, mas o asfalto é bom e as faixas são bem espaçosas. Porém, dali pra frente, o bicho pega. O visual é lindo, você passa por várias praias lindas ao longo do caminho, só que o negócio é tenso demais. A pista é cada vez mais estreita e cheia de curvas. Se vem carro no sentido oposto, é um Deus nos acuda! Isso sem contar que boa parte da estrada não tem guard rail, e a pista é tipo em cima de um barranco. Ou seja, você anda no limite o tempo todo. Se a roda sair da estrada, já era.

Enfim, chegamos em Sucuraj (lê-se “sutchurái”, porque o C tem um tal de acento circunflexo em cima que o teclado nosso não comporta). A fila da balsa me espantou. Eu havia visto no site os horários da balsa, e me programei para chegar às 10:30h, 45 minutos antes da bala marcada para as 11:15h. Sifudi.

Fui contando a quantidade de carros até a área de embarque. Eram 85 na minha frente. Segundo o site, embarcavam cerca de 32 por balsa. Ou seja, eu estaria na 3ª balsa que saísse. Pensei comigo: chego em Dubrovnik só amanhã. Por um golpe de sorte, as balsas no final de semana têm intervalo de 45 minutos. Ou seja: mais de duas horas de espera, num calor filho da puta, com um sol para cada um. Bem, o que é um peido pra quem está cagado? Voltar pra Stari Grad para tentar uma balsa para Split estava fora de cogitação, então ficamos lá.

Não sei se contei errado, mas fomos exatamente o último carro a embarcar na terceira balsa. Uma sorte da porra, no meio de tanta bosta. Mas enfim, 35 minutos depois a ilha já tinha ficado para trás e estávamos em Dvrenik.
20140823_125300

20140823_125313

20140823_125641

20140823_125758
A estrada vem beirando o litoral. São cerca de 120 km até aqui, por paisagens maravilhosas. Sério, aquele mar azulinho é coisa de maluco. Dá vontade de parar em todo lugar pra tirar foto. E no meio do caminho ainda encontramos esse lago verde esmeralda que você vê nas fotos aí. Parece cenário de filme. Acho que um dos lugares mais lindos da viagem. Certamente as fotos da câmera ficaram melhores que as do celular, mas dá para se ter uma noção.
20140823_135549

20140823_135446
Na vinda, a gente passa por um pedaço da Bósnia-Herzegovina. Passa por alfândega e tudo, quando entra e sai. Mas é um trecho tão curto que parece piada.

Bem, a chegada em Dubrovnik é coisa de cinema. Lugar lindo. Só que aí começou outro perrengue… chegar no apartamento que alugamos via Airbnb foi até fácil. O problema era onde estacionar o carro. Subi as escadarias até o apartamento, e o dono não estava. A filha dele foi quem me atendeu. Puta que pariu, a mina era gaga. Cara, você consegue imaginar uma croata gaga falando inglês? Puta perrengue! E ela não é gaga da que tropeça, ela é a gaga que enrosca pra falar (pros caras da Fundaca, ela é tipo o Carioca!).

Enfim, 30 minutos depois já conseguimos estacionar o carro. Sem chances de subir com as malas pra cá. Estávamos com uma fome do caralho e a mina não soube nos explicar nada. Resolvemos descer até a cidade velha, que é onde tudo acontece por aqui, para comer. Cara, vou dizer…. Dubrovnik em croata deve significar “cidade filha da puta com escada pra caralho”. A porra da cidade é em 90 graus. É uma parede. Pra quem achava que Carapicuíba era a cidade mais cheia de morros no planeta, perdi fácil.
20140823_173845
Paramos literalmente no primeiro restaurante que encontramos e comemos. Andamos um pouco pela cidade velha, subimos até um dos fortes, e depois voltamos ao apartamento.

20140823_185033

20140823_165343

20140823_174339

20140823_182029

20140823_184053
Agora, nego, se já foi difícil pra descer, imagina pra subir?

Enfim, chegamos aqui e conhecemos o Zlatan, dono do pagode. Cara gente boníssima. Conversamos demais, ele pediu mil desculpas de não estar aqui na hora em que chegamos (eu não havia visto o e-mail que ele me mandou pedindo pra ligar quando estivesse chegando), e nos deu algumas dicas sobre a cidade. Explicou até que tem um busão que sobe o morro e nos deixa aqui, o que é um alívio. E explicou também que a umidade estava em mais de 90% hoje, talvez o que explica o fato de eu ter suado 32 litros hoje.

O cara é gente boa. Ele me disse que era músico, o que explica o fato de que todos os apartamentos aqui terem temática rock ‘n roll. O que eu estou se chama “Midnight Lady”, com a temática toda da Janis Joplin. Ele fala sobre futebol, história do Brasil (sim, pasmem!), música e os caraio. Gente boa demais. A raiva do lugar já até passou… hehehehehehe…

Surpresa do dia: Achar que a balsa de Sucoraj para Dvrenik seria tranquilinha e que quase ninguém teria a mesma ideia. Sifudemo.

Presepada do dia: Bem, acho que já descrevi tudo aí em cima. Nem preciso mais detalhar…hehehehehehe…

Ah, mas teve uma, em tempo, que preciso escrever. A Juliana lembrou bem aqui….

A gente ficou com tanta raiva quando chegamos (a viagem longa, o calor, a fome, a ausência do dono, a dificuldade para estacionar, etc, etc, etc) que já queríamos ir embora. Para piorar, na hora que fomos descer pra cidade, a Juliana deu uma olhada num terreno aqui do lado e me falou: “Porra, tem um gato morto aqui!”. Eu olhei e, de fato, tinha um gato preto deitado no mato, duro, de olho fechado. Pensei: “Porra, fudeu! Gato preto morto deve dar azar em dobro!”. Quando voltamos, eu já falei pra ela nem olhar pro terreno pra não ficar impressionada. Mas o burrão aqui teimou em olhar, né? Curiosidade é foda. E, pra minha surpresa, o gato não estava mais lá. Falei: ah, removeram o gato morto. Mas aí a Ju olhou e viu o gato lá no meio do mato, sentadinho, de boas. Filho da puta, ele nos enganou direitinho! Hahahahahahaha…..

ago
22

E para quem achou que não sobreviveríamos, cá estamos nós! Totalmente esgotados, mas vivos. Não sairemos no Jornal Nacional hoje em mais uma tragédia, graças a Deus.

Alugamos o barco aqui em Hvar para ir até o arquipélago de Pakleni. Dá um gúgou aí que vocês vão ver mais fotos do lugar.

O cara que é dono do barco se chama Bozo. Sério. Mas tem um cedilha ou algo assim no “z” e aí se pronuncia Bojo. Mas já começou engraçado por aí. O próprio cara dá umas noções de como operar o motor do barco e como atracar ele nos piers das praias. Não é nada complicado não. Mas é bom uma certa dose de paciência, porque o barco é pequeno e o motor não é muito potente, então o negócio é devagar.

Bem, visitamos várias praias ao longo do dia nesse arquipélago. Uma mais linda que a outra. As fotos estão no Facebook, e como a internet aqui do hostel tá uma bosta, não vou conseguir colocar mais nenhuma aqui.

A última praia em que paramos foi onde almoçamos e bebemos umas (várias) biritas. Depois a Juliana fez uma massagem por lá mesmo. E aí fomos para uma outra praia no lado oposto da mesma ilha, por uma trilha tranquilinha de 200 metros. Lá encontramos um grupo de brasileiros, que estavam por lá num barco de excursão. O pessoal ficou espantado da nossa coragem de ter alugado um barco sem nunca ter pilotado um….hehehehehe…

Voltamos para Hvar só às 19h. Subimos até o hostel, tomamos um banho, descemos novamente até a cidade para jantar e voltamos. Estamos esgotadíssimos. Não sei se foi o dia todo no sol, ou se foi o dia todo num barco, ou se é o final da viagem, ou se foi tudo junto. O que tenho para dizer é que Hvar é maravilhosa. Deveríamos ter agendado mais tempo para ficar aqui e poder conhecer outras praias, porque a ilha é fantástica. Quem tiver oportunidade, precisa conhecer.

Amanhã vamos para nosso último destino: Dubrovnik. De lá voltamos para Munique e depois para São Paulo. A saudade de casa está batendo forte (pelo menos em mim), mas ainda tem coisa interessante para ver.

Surpresa do dia: A ilha está mais lotada de brasileiros do que imaginávamos. Por tudo quanto é lugar.

Presepada do dia: A Juliana estava meio com medo de andar de barco comigo dirigindo. Fazia todo sentido. Mas logo que ela viu que a parada era tranquila, ela foi se soltando. Ela até sentou mais à vontade, deitou na ponta do barco e tals. Mas, como eu já disse, o barco é pequeno, né? Então balançava pacas, principalmente quando a gente pegava algumas ondas um pouco maiores, deixadas como rastros por outros barcos maiores. Numa dessas, a gatinha sensualizando deitada na ponta do barco, e eu vi que uma série de ondas se aproximavam. Reduzi um pouco a velocidade e avisei: olha a onda! Pátz! Foram 3 ou 4 solavancos que jogaram a menina pra um lado e pro outro, quicando na ponta do barco, segurando-se para não ser arremessada ao mar. Parecia que ela estava naquele brinquedo “Labamba”, do Playcenter. Nossa, choramos de rir altas horas com o acontecido….kkkkkkk

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: